Carla Cleto Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Durante o verão, acidentes com escorpiões tendem a aumentar

O número de acidentes com escorpião em Alagoas passou de 9.201 em 2017, com três óbitos, para 9.619 no ano passado, com o registro de apenas um óbito. É o que revela dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan), órgão vinculado ao Ministério da Saúde.

Devido às altas temperaturas, no período do verão, que são propícias para reprodução dos escorpiões, o cuidado deve ser redobrado para evitar acidentes com este tipo de aracnídeo.

O alerta é do Programa de Controle de Animais Peçonhentos da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), que recomenda redobrar a atenção, principalmente quanto aos idosos, crianças e pessoas com imunidade baixa.

Estudos realizados por infectologistas mostram que pessoas que se enquadram nestes perfis são mais suscetíveis a ter complicações decorrentes do ataque de animais peçonhentos. Por esta razão, é necessário atentar para alguns cuidados básicos, que podem evitar a proliferação dos escorpiões e o ataque aos humanos durante esta época do ano.

“É necessário limpar com frequência as caixas de gorduras e mantê-las vedadas. Também é importante que, antes de utilizar sapatos, toalhas e roupas, seja verificado se não há um escorpião agarrado a estes objetos”, orienta a técnica Silvana Tenório, do Programa de Controle de Animais Peçonhentos da Sesau, ao ressaltar que “o tipo de escorpião predominante em Alagoas é considerado pouco perigoso, mas, é preciso tomar preocupações”.

Outro cuidado importante, destacado pela técnica da Sesau, é cobrir os ralos dos banheiros e acondicionar bem o lixo, visando não atrair baratas, que fazem parte da cadeia alimentar do escorpião, além de não entulhar material de construção. “Deve-se evitar colocar as mãos em buracos no solo, troncos ou pedaços de madeira, além de sempre utilizar luvas, principalmente quando for preciso executar este tipo de ação”, ressalta.

O que fazer em caso de acidentes

Em caso de sofrer uma picada de escorpião, de acordo com a Sesau, é recomendável limpar o local com água e sabão. Também é importante aplicar compressa morna no local, não fazer esforço físico e procurar orientação imediata em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) e, no caso de estar em Maceió, procurar um dos cinco Ambulatórios 24 Horas.

“É importante ressaltar que não se deve amarrar o local da picada, nem aplicar nenhum tipo de substância ou curativos que fechem o ferimento, pois favorecem a ocorrência de infecções. Também não se deve cortar, perfurar ou queimar o local da picada, nem dar bebidas alcoólicas ao acidentado, porque elas não têm efeito contra o veneno e podem agravar o quadro clínico do paciente”, alerta Silvana Tenório.

Unidades Referência

Em Alagoas, no caso de agravamento do estado clínico de uma vítima de picada por escorpião, oito unidades foram habilitadas pela Sesau para aplicar o soro antiescorpiônico. Além do Hospital Escola Hélvio Auto (HEHA), em Maceió, os demais órgãos de referência são o Hospital de Emergência do Agreste, em Arapiraca; Hospital Carvalho Beltrão, em Coruripe; Unidade Mista Dr. Antenor Serpa, em Delmiro Gouveia; Hospital Santa Rita, em Palmeira dos Índios; Unidade Mista Arnon de Melo, em Piranhas; Unidade de Emergência Antônio de Jesus, em Penedo; e Unidade Djalma dos Anjos, em Pão de Açúcar.

*Com Agência Alagoas