Fotos: Polyana Lima / Estagiária CM 7ffbf976 0245 4b36 9d16 767d1320a4ff

Representantes da Braskem voltaram a afirmar que não existe nenhuma relação entre os problemas estruturais no bairro Pinheiro e o trabalho realizado pela empresa na região. No encontro realizado na tarde desta quarta-feira (23), com o presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), Tutmés Airan, o grupo afirmou ainda que há uma falha geológica que pode estar provocando os danos às residências e vias públicas.

“Nós tínhamos quatro poços em operação no Pinheiro, dois já não funcionavam há mais de dez anos e decidimos desativar os outros dois devido aos abalos sísmicos, por precaução”, repetiu Milton Pradines, gerente de Relações Institucionais da Braskem. A mesma informação já tinha sido dita ontem, durante encontro do grupo com o procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça, no Ministério Público.

Ao serem questionados pelo presidente do TJ, os consultores confirmaram que a referida falha pode provocar desabamentos de imóveis no local, principalmente se ocorrerem chuvas fortes ou temporais.

Sugestão

"O desespero maior é a completa ausência de informação", afirmou Tutmés Airan durante o encontro. Para ele, a Prefeitura de Maceió deveria disponibilizar uma central com técnicos apenas para esclarecer e orientar os moradores do bairro sobre questões como pagamento de IPTU e aluguel.

Antes do encontro com representantes da empresa, na segunda-feira (21) o presidente do TJ já havia recebido integrantes do movimento SOS Pinheiro, que explanaram a situação do bairro e as dificuldades sofridas pelos moradores. Eles também pediram um auxílio jurídico mais intenso para o caso.

Nesta quarta-feira foi anunciada a antecipação, do dia 23 de fevereiro para o dia 16 do mesmo mês, do simulado de evacuação que será realizado no bairro. A decisão foi tomada durante reunião ocorrida nesta quarta-feira (23), na sede do 59º Batalhão de Infantaria Motorizada (BIMtz), com representantes de vários órgãos, a exemplo da Defesa Civil Estadual e Municipal, Forças Armadas e Corpo de Bombeiros Militar.

 

*Estagiária, sob supervisão da editoria