Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Pacientes de várias cidades do estado, e com acentuada procura no município de Maceió, reclamam da falta do medicamento/colírio para o prosseguimento do tratamento de Glaucoma.

Segundo informações, o colírio estaria em falta há vários meses, podendo prejudicar os pacientes, inclusive imputando-lhes a cegueira. O medicamento seria mais um dos diversos itens para procedimentos e atendimentos que o Governo do Estado de Alagoas não estaria cumprindo com os gestores municipais e de Saúde, e teria sido tema de uma reunião realizada no Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Alagoas (Cosems) com a participação do Secretário de Estado da Saúde, Christian Teixeira e Gestores Municipais.

Sobre a situação, a Secretaria Municipal de Saúde informou à reportagem que “ o Município de Maceió continuou pagando os fornecedores até novembro de 2018, enquanto havia disponibilidade orçamentária, e agora aguarda o repasse do medicamento, que deve ser feito pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesau)”.

Entramos em contato com a Secretaria de Estado da Saúde (SESAU), que, em nota, afirmou que “a partir do próximo mês (fevereiro), o Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (Ceaf), antiga Farmex, passará a distribuir os colírios de glaucoma para os usuários cadastrados".

Em contato com a Presidente do Cosems e Secretária de Saúde do município de Teotônio Vilela, Izabelle Pereira, a gestora citou que; “nesses períodos de suspensão e falta dos medicamentos, os pacientes sofrem e fazem uma verdadeira peregrinação em busca dos remédios para continuarem os tratamentos”.

A gestora ratificou a informação da SESAU, de que o secretário de Saúde do Estado teria dado data para a resolução do problema, mas alertou que os pacientes glaucomatosos não podem esperar tanto tempo para retomarem seus tratamentos.

“O Secretário Christian Teixeira se comprometeu de que a SESAU vai começar a distribuição destes colírios em fevereiro, mas nós pedimos para que ele antecipasse essa dispensação, visto que não se pode interromper um tratamento com esses pacientes glaucomatosos, pois eles vão precisar continuar medindo a pressão interna do globo ocular, precisam de colírio, então há uma ação contra o estado para que o estado entregue esses remédios no tempo adequado. Existem pacientes que já estão há muitos meses sem o colírio e consequentemente sem o tratamento adequado”, concluiu Izabelle Pereira.

 

Nota de Esclarecimento
Sesau vai iniciar distribuição do Colírio para Glaucoma no próximo mês

A Sesau informa que, a partir do próximo mês (fevereiro), o Componente Especializado da Assistência Farmacêutica (Ceaf), antiga Farmex, passará a distribuir os colírios de glaucoma para os usuários cadastrados, que era de responsabilidade do Ministério da Saude. Salienta que, conforme acordado com os gestores municipais e o Ministério Público Federal (MPF), caberia aos municípios fornecerem o colírio até que o Estado concluísse o processo licitatório, de acordo com a legislação que deve ser seguida por todos os órgãos da esfera pública.

Informações da Secretaria Municipal de Saúde de Maceió

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informa que em 2017 o Ministério da Saúde limitou as verbas destinadas à aquisição dos colírios, de modo que muitos municípios alagoanos deixaram de prestar o serviço. A SMS ressalta que Maceió continuou pagando os fornecedores até novembro de 2018, enquanto havia disponibilidade orçamentária, e agora aguarda o repasse do medicamento, que deve ser feito pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesau).