Edmílson Teixeira Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Renan Calheiros e Rodrigo Cunha não compareceram na AMA para encontro com os prefeitos

Joaquim Gomes/AL

Prefeito Adriano Barros que conseguiu cerca de 3 mil votos para o candidato a federal Nivaldo Albuquerque, lá em Joaquim Gomes, foi bastante cumprimentado pelo jovem  eleito representante de Alagoas nesta segunda-feira, na sede da AMA. “Estamos convictos de que teremos um especial representante do nosso município agora na capital federal; sem falar de seu pai, o deputado estadual Antônio Albuquerque, que também recebeu nosso apoio”, argumentou entusiasmado o prefeito.   

Quebrangulo/AL

Marcelo Lima prefeito de Quebrangulo, não descarta a possibilidade de concorrer à eleição da AMA, evento previsto para o início do mês que vem. Tem como bagagem, diversas passagens pela própria entidade na qualidade de diretor. Marcelo Lima é o político que mais se elegeu em Alagoas como prefeito. Detém cinco mandatos.  

Anfitrião

Por falar em eleição da AMA, na reunião desta segunda-feira, entre prefeitos, CNM e a bancada federal alagoana, não se ouviu tratar do pleito que se aproxima na entidade. O atual presidente Hugo Wanderley, prefeito de Cacimbinhas, deu mais uma de anfitrião; sobretudo recepcionando o presidente da CNM, Glademir Aroldo (ex-prefeito de Saldanha Marinho/RS)  e parte da bancada federal de Alagoas que se fez presente. O evento foi para arquitetar estratégia para a grande marcha nacional dos prefeitos que ocorrerá em abril deste ano.

Desfalque

Prefeitos que compareceram a reunião da AMA, sentiram nesta segunda-feira, as ausências dos senadores; Renan Calheiros e Rodrigo Cunha. A dupla teria confirmado presença na última semana. Detalhe: não deram sequer satisfação!  

Presentes

Pois na reunião  da AMA, apenas da bancada federal estavam presentes; Sérgio Toledo, Tereza Nelma, Nivaldo Albuquerque, Isnaldinho Bulhões, e Severino Pessoa; ou seja, somente os novatos que vão representar Alagoas em Brasília. JHC e Arthur Lira justificaram que estão em campanha para a Presidência da Câmara; Paulão alegou problema de horário de voo para retornar a Brasília, assim como Marx Beltrão. O senador Fernando Collor ao que parece não tinha interesse de participar do evento.

Batalha/AL

Marina Dantas prefeita de Batalha acredita numa melhora dos municípios a partir deste ano. Aponta o valor dos movimentos articulados pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) que tem sido de fundamental importância, para que projetos sejam aprovados no Congresso Nacional. Pois um grande manifesto, diz, ocorrerá entre os dias 8 e 11 de abril próximo em Brasília, onde prefeitos de todo o país estarão juntos com congressistas municipalistas engajados na luta por seus direitos.

Convite

“Anotem o número de meu Gabinete; 322, que fica no quarto anexo em Brasília.”  Recado dado aos prefeitos presente na reunião da AMA, pela única mulher eleita deputada federal de Alagoas, Tereza Nelma. “Nosso propósito é o de lutar por uma Alagoas bem melhor; pois no meu Gabinete não haverá restrição alguma para receber quem quer que seja”, garantiu.  

Cambaleando

Depois dos lixões fechados; para algumas Prefeituras alagoanas, a situação está bastante complicada.  A logística tem sido o obstáculo maior. Porto Real do Colégio, por exemplo, não tem caminhão compactador, e uma caçamba que coleta o material na cidade, tem que percorrer mais de  200 km todos os dias (ida e volta) até o município de Craíbas, onde é feito o processamento do trato do lixo, pertencente ao Consórcio do Agreste. Cada tonelada de lixo a Prefeitura tem que desembolsar 56 reais.

Sonho

Prefeitos também estão aguardando uma promessa do governador Renan Filho, quanto à distribuição de caminhões compactadores. O assunto foi abordado durante a sessão de debates na reunião desta segunda na sede da AMA. O prefeito de Craíbas, Ediel, que também preside o Consórcio do Agreste, disse, que no mínimo um caminhão compactador custa 280 mil reais, dinheiro que as Prefeituras não têm.   

Murici  

Sobre o Murici no campeonato alagoano que começa neste domingo, o prefeito Olavinho afirmou que a Prefeitura só entrará com a parte logística; ou seja: campo de futebol e transportes. “Um empresário paraibano está nos cedendo 9 jogadores e o CSA 8 atletas; pois o restante para o complemento da formação oficial é toda prata da casa”, disse o prefeito, lamentando a situação financeira do município, que não oferece condições para assegurar uma boa equipe de futebol.  

Murici II 

O prefeito muriciense acrescentou também apoios vindos de empresários alagoanos; entre eles, as lojas  Carajás e a indústria Emerge; além  de um grupo de amigos da cidade que segundo ele, sempre marca presença em momento preciso.