Cortesia Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Ana Karolina Gama de Moraes

Familiares da alagoana Ana Karolina Gama de Moraes, de 29 anos, divulgaram nas redes sociais um apelo para que a jovem, que está na fila de transplantes há um ano e dois meses, consiga um novo coração.  

Segundo o relato, há alguns dias o quadro de Karol piorou e ela passou a ocupar uma das primeiras posições na fila de transplante, o que ocorre quando o risco de morte se torna iminente. Nas duas últimas semanas, surgiram quatro corações compatíveis, mas os familiares dos falecidos não autorizaram a doação.

Karol foi diagnosticada com miocardiopatia periparto em outubro de 2017, apenas 48 horas após o parto de sua primeira filha. A doença, associada à disfunção cardíaca grave, ocorre no final da gestação, com um alto índice de mortalidade materna.

“Em que pese o medo de se declarar doador em um país onde corrupção impera em todos os âmbitos, e o medo de tráfico de órgãos seja real, as pessoas precisam ao menos se conscientizar da importância de deixar claro para família que, ainda que não esteja em seu documento a sua declaração expressa de ser doador, esta é a sua vontade”, destacou Alyne Gama, prima de Ana Karolina.

No texto, Alyne apelou também para os familiares dos portadores dos corações viáveis, a quem cabe o consentimento para a doação dos órgãos: “Entendemos a esperança dos familiares daquele ente que já teve a morte cerebral declarada, que ocorre quando o cérebro deixa de funcionar completamente, e por isto, a pessoa nunca irá se recuperar, mas acreditam que milagrosamente ele irá voltar à vida... Mas, o milagre da vida é justamente seu ente continuar vivo em outro”.

Mãe de uma menina de pouco mais de um ano, Karol está internada na UTI do Hospital do Coração, em Maceió.

Leia também:

Desejo do doador ou escolha da família: mudança na Lei dos Transplantes divide opiniões