Ascom Semds Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Nova etapa do trabalho consiste na batimetria sísmica do Complexo Lagunar

Durante esta semana, pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil voltaram a Maceió para uma nova etapa do trabalho no bairro do Pinheiro, que consiste na batimetria sísmica do Complexo Lagunar. Nesta quarta-feira (09), três pesquisadores do órgão federal chegaram e estão realizando ajustes de equipamentos. Além disso, os estudos para identificar as causas do surgimento de fissuras no bairro Pinheiro também continuam.

Conforme a descrição do Serviço Geológico do Brasil, a batimetria sísmica é um método de estudo que define o relevo e estruturas geológicas/descontinuidades no fundo das lagoas Mundaú e Manguaba em busca de sinais de subsidências ou que indiquem alterações morfológicas anormais. Ainda nesta quinta-feira, dia 10, as ações continuam na capital, com a instalação de réguas no Porto de Maceió para auxiliar no estudo, e também com o reconhecimento da embarcação que deve ser utilizada pelos profissionais durante esta etapa.

Segundo informações do titular da Defesa Civil de Maceió, Dinário Lemos, a batimetria sísmica é um dos trabalhos previstos para as próximas semanas seguindo o cronograma de trabalho realizado para investigar o surgimento das fissuras.

“Conforme anunciado anteriormente, o Serviço Geológico do Brasil iniciou uma nova etapa dos estudos sobre a situação do Pinheiro. Uma grande equipe deve chegar a Maceió nos próximos dias. Alguns dos pesquisadores já estão na cidade e iniciaram os preparativos. Estivemos reunidos na terça-feira (08), quando chegaram a Maceió, e ontem foi iniciada a instalação de réguas no Porto que vão auxiliar neste estudo. Hoje o trabalho continua. Os pesquisadores estão ajustando e aferindo os equipamentos para que logo o estudo seja iniciado”, explicou Dinário Lemos.

Ajuda humanitária

Ainda de acordo com o titular da Defesa Civil de Maceió, o órgão dá continuidade nesta quinta-feira (10) ao cadastro das famílias que tiverem de deixar seus imóveis no bairro Pinheiro para que sejam incluídas na ajuda humanitária do Governo Federal. O cadastro acontece no Conjunto Jardim Acácia (Edifícios Palmas, Jequitibá e Potengy), próximo ao Mercadinho Pilar.

Para realizar o cadastro, o morador deve levar documentação pessoal (RG e CPF) e documento de comprovação de posse do imóvel. O órgão reforça ainda que, no caso dos imóveis que não tiveram recomendação de evacuação e não foram avaliados, engenheiros civis devem realizar visita para comprovar o dano e posteriormente efetuar o cadastro. Os contatos da Defesa Civil para informações e ocorrências são 0800 030 6205 e 3315 1437.

 

*Com Ascom Semds