Foto: Assessoria 77157c41 3bec 44cf ab17 35f98910d54f

Dando um pontapé inicial em 2019, as ações do Janeiro Roxo em Maceió, dedicado ao combate à hanseníase, tiveram início nesta quarta-feira, 02 de janeiro.  Seguindo as atividades prevista na Lei Municipal nº 6.757/2018, de autoria da vereadora Tereza Nelma, o encontro na Secretaria Municipal de Saúde teve como pauta principal o desenvolvimento de uma agenda de ações de prevenção e conscientização, durante todo mês.

Tereza Nelma reafirmou a importância dessa lei para a população, que infelizmente ainda é desinformada sobre as causas e o tratamento dessa doença. “O Janeiro Roxo é um reflexo da luta do movimento, que junto comigo traz essa bandeira da saúde, do respeito e do direito a um tratamento digno. A hanseníase tem cura e o tratamento é oferecido pelo SUS, mas poucas pessoas sabem disso, apesar do trabalho desenvolvido pelo Estado e Município. O preconceito ainda existe e esse sim é o principal mal, porque acarreta o abandono familiar, a desilusão e a descrença”, disse.

A coordenadora estadual do Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase - Morhan Alagoas, Clódis Tavares, apela para que a população fique atenta aos sintomas, e não deixe para buscar ajuda apenas quando o quadro já for considerado grave. . “As manchas esbranquiçadas ou avermelhadas na pele, formigamentos, nódulos, são alguns dos sintomas da Hanseníase, conhecida antigamente como lepra, e que pode atingir pessoas de qualquer idade. O diagnóstico precoce é o nosso principal aliado, já que mais de 1500 pessoas foram acometidas pela doença em Alagoas, nos últimos cinco anos [2013-2017]”, completou.

Em pauta, inicialmente, ficaram definidas ações de panfletagem, palestras, visitas às Casas de Acolhimento e Instituições de Permanência, Audiência Pública na Câmara Municipal, iluminação de prédios públicos, dentre outras atividades. A programação completa será divulgada em breve.

Também estiveram presentes a Dra. Mardjane Alves, Superintendente de Vigilância à Saúde da Secretaria Estadual de Saúde; Daniele Castanha, gerente de Vigilância das Doenças Transmissíveis da Sesau, além de outros representantes do movimento.