F233046e 6734 4019 be85 4a373e7c3104

Em entrevista coletiva à imprensa antes de tomar posse para o seu segundo mandato, nesta terça-feira (01), na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE), o governador Renan Filho destacou que o crescimento da arrecadação em Alagoas não foi resultado de aumento de tributação, mas sobretudo em razão do ajuste fiscal, que permitiu elevação da receita, combatendo a sonegação e contendo despesas e evitando desperdícios. .

Ao assumir seu primeiro mandato, Renan Filho realizou uma série de cortes na administração estadual para fazer o ajuste de contas. Segundo ele, esse ajuste fiscal, que combateu a sonegação fiscal e evasão, proporcionou que novos negócios viessem para Alagoas. Com isso, o Estado passou a ser referência em todo país em solidez fiscal.

Segundo o governador, os planos para os próximos quatro anos são manter os projetos que asseguram qualidade aos alagoanos, corrigir algumas lacunas e primar pelo bom uso dos recurso públicos.

"Com isso vamos seguir melhorando as políticas públicas em Alagoas. Hoje nosso estado, que outrora ficou conhecido pela violência, agora dá exemplo de um estado que mais reduz violência, que melhora a educação e que realiza investimentos com recursos próprios", colocou o governador.

Já durante seu discurso após a posse, Renan Filho comemorou a presença do pai na solenidade, que não pôde comparecer na primeira posse, em 2015, e aproveitou para agradeceu a parceria da ALE "para transformar Alagoas".

Ao fazer um balanço de sua gestão, ele lembrou que tirou Alagoas do ranking dos mais violentos do País; citou a redução da mortalidade infantil e a ampliação da rede de atendimento da saúde, e destacou ainda a construção de novos hospitais que irão  gerar 10 mil empregos diretos.

A posse ocorreu na Assembleia Legislativa de Alagoas, onde Renan Filho chegou acompanhado de sua esposa, dois dois filhos, de seus pais, o senador Renan Calheiros e Verônica Calheiros, além de aliados políticos. O plenário ficou lotado com a presença de secretários, deputados estaduais eleitos e reeleitos, prefeitos e outras autoridades estaduais, como o procurador-geral de Justiça, Alfredo Gaspar de Mendonça e o presidente eleito do Tribunal do Contas do Estado, conselheiro Otávio Lessa.

Mudanças no secretariado

Renan Filho anunciou que deve seguir até o final do mês de fevereiro com a mesma equipe de secretários estaduais tocando a administração do governo. Segundo ele, algumas mudanças serão promovidas, adequando a reforma do secretariado ao calendário legislativo.

"Com o novo cenário legislativo pronto, poderemos ter um diálogo mais representativo e de acordo com o que disseram as urnas em outubro", disse ele.

Bolsonaro

Sobre o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), o governador afirmou que torce bastante para que o novo chefe do Executivo federal tenha êxito e possa tirar o Brasil da crise que desempregou pessoas e faz a economia andar de lado há alguns anos.

"(Bolsonaro) Vai poder contar conosco, porque o Brasil melhorando melhora para todo mundo e sinceramente eu torço bastante por isso", afirmou, acrescentando que não teme nenhuma suposta retaliação do presidente eleito ao Nordeste. Renan Filho foi sucinto ao explicar sua ausência na posse, em Brasília: "Estou aqui, tomando posse".