Foto: Agência Senado/Arquivo 4f1684e2 7106 45e9 955a a5f53c833f37 Senador Renan Calheiros

Mesmo passados mais de 60 dias da eleição, o Senador Renan Calheiros, parece ainda não ter “digerido” alguns entraves e acordos que tentar fazer com que ele assumisse durante o pleito. Um deles foi com o candidato a senador não eleito, Biu de Lira, a quem Calheiros chamou de velhaco.

Em publicação Renan comentou que “aconteceu outro fato inusitado que não pode se repetir com mais ninguém. Eu, atacado todo dia no rádio e TV, sem direito de resposta e com pedidos engavetados no TRE, resolvi postar na rede social, dia 29 de setembro: “Biu está desesperado. Sua rejeição chegou a 48%, traiu trabalhadores e aposentados. Alagoas não aceita essa velhacaria. Será a derrota mais cara do país”, e publiquei junto pesquisa Ibope”.

Sabe o que aconteceu? Dois dias depois, meus advogados aparecem na produtora (coincidentemente eu estava lá) com um “acordo” que haviam feito com a Juíza da propaganda eleitoral - que chega a ser minha parenta -  para que eu me retratasse, sob pena de multa de R$ 40 mil por dia. E até mandou o texto, que era o seguinte: “Retrato-me ao Benedito de Lira, que é honrado e contra quem fiz uma postagem para atingi-lo”. Faltavam seis dias para a eleição, era 1 de outubro. Fiz uma conta rápida e até o dia da eleição teria de pagar R$ 240 mil. Se calculasse até hoje eu já estaria devendo R$ 3,1 milhões. Nem sei qual foi o desfecho dessa ação, pois meus advogados nunca me deram retorno sobre isso.

Precisei mandar o advogado dizer à juíza que eu nunca havia feito retratação na vida, e não seria agora que me retrataria para o Benedito de Lira. Mesmo porque, expliquei, na rede social não há regulamentação, direito de resposta, e muito menos retratação.

Por essas e outras, lembro que meu pai gostava de contar o que tinha ouvido de um vaqueiro: “Eu sou igual ao eixo do carro de boi. Quanto mais me aperta, mais eu canto”.