667ecde7 d2cf 4f6d a07e 9dcf6aa031e2 Lucimério Campos

Davi Miguel da Silva Oliveira, Emerson David Lins da Silva, de 29 anos, conhecido como “Cabelo” e Renata Evelin da Silva, 20,  padrasto e mãe de Davi Miguel da Silva Oliveira, de apenas  2 anos e 11 meses, foram indiciados pela morte da criança ocorrida no último dia 5, na cidade de Rio Largo.

Segundo a assessoria de Comunicação da Polícia Civil, Emerson foi indiciado por homicídio qualificado, sendo o autor material do crime e a mãe, por omissão.

O delegado de Homicídios de Rio Largo, Lucimério Campos, estará enviando o inquérito à Justiça. Em depoimento a mãe da criança contou que no dia da morte do filho, saiu de casa para comprar leite perto de casa. Davi teria ficado sozinho com o padrasto. Na volta, viu a criança diante de Emerson, e logo depois o filho desmaiou.

Foi o próprio padrasto quem socorreu o menino até o Hospital Ib Gatto Falcão, naquela cidade, onde faleceu.

A versão do padrasto era de que a criança havia caído de uma escada. Mas, o laudo médico apontou que Davi apresentava lesões – inclusive em órgãos internos – incompatíveis com uma simples queda.

A partir do laudo, Emerson foi chamado para um segundo depoimento, quando admitiu ter dado umas chineladas na criança, e acabou preso. A polícia apurou também que o menino, dias antes da morte, apresentava marcas em um dos olhos, e o padrasto alegava que ele havia caído da cama.

À polícia mãe admitiu que o companheiro pode ter sido o autor do crime, apesar de dizer que nunca desconfiou de possíveis agressões. Com o indiciamento do padrasto e da mulher, o caso será agora decidido pela Justiça.

*Com Ascom PC/AL