Foto: Reprodução Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Gustavo Pessoa

Em nota divulgada na noite desta segunda-feira (5), o PSOL Alagoas afirmou que sua sede foi vítima de vandalismo após o resultado da eleição presidencial, no último dia 28 de outubro. A legenda disse também que tem recebido ameaças de morte aos dirigentes, por telefone, de forma constante.

Segundo o PSOL, a placa localizada na fachada de sua sede em Maceió, foi arrancada violentamente por  desconhecidos, no mesmo dia em que a placa da sede da Central Única dos Trabalhadores (CUT) foi alvo de disparos de arma de fogo.  Fato que teria sido registrado após a divulgação da vitória do candidato eleito a presidente da república, Jair Bolsonaro.

No texto, o PSOL lamenta o ocorrido e diz que o “ódio que se materializa hoje contra o PSOL é uma reação ao discurso daquele que, agora, deveria estar se dedicando à tarefa de pacificar o país”, e que tomará as providências jurídicas para o caso.

Leia a nota do PSOL, na íntegra, abaixo:

O PSOL Alagoas teve, recentemente, sua placa arrancada violentamente da fachada de sua sede. O episódio ocorreu no mesmo dia em que tiros foram disparados contra a sede da CUT (Central Única dos Trabalhadores). Temos recebido telefonemas com ameaças de morte aos nossos dirigentes constantemente.

A escalada da violência no Brasil e em Alagoas não nos surpreende. O ódio que se materializa hoje contra o PSOL é uma reação ao discurso daquele que, agora, deveria estar se dedicando à tarefa de pacificar o país. No sentido contrário, Jair Bolsonaro, em um discurso colérico direcionado aos seus partidários, afirmou que seus opositores serão banidos ou presos a partir da sua posse. Logo em seguida, concedeu entrevista ao Jornal Nacional, afirmando estar se referindo aos dirigentes do PT e do PSOL.

Lamentável que isso esteja ocorrendo num país que deveria estar celebrando agora os 30 de reconquista da democracia. Nós não nos entregaremos voluntariamente às prisões. Não nos curvaremos às ameaças covardes e anônimas. Tampouco deixaremos nosso país. Ficaremos e lutaremos contra o arbítrio e as sucessivas tentativas de intimidação.

Tomaremos as devidas providências no âmbito jurídico e seguiremos firmes exercendo nosso papel de oposição nos marcos de um regime democrático.

Gustavo Pessoa
Presidente do PSOL-AL