E61a0db6 b888 464f 984b a429cc1a1b12

De acordo com o levantamento realizado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), cerca de 98% da população utiliza o serviço de internet móvel no Brasil ou seja 206 milhões de pessoas usam diariamente dados móveis em seus dispositivos e somente 3,8 milhões de pessoas estão fora do serviço. Pode-se dizer que quase todo Brasil tem acesso à internet móvel e que essa é uma característica comum de quem precisa se manter conectado mesmo quando está longe da rede wi-fi.

Devido à mobilidade dos aparelhos a Anatel entende que os 3,8 milhões de brasileiros que não utilizam o serviço no país, é porque não usam celular como principal meio de comunicação.

A Telebrasil já vinha alertando em seus estudos e propostas sobre a necessidade de usar fundos setoriais como o Fust (Fundo de Universalização de Serviços de Telecomunicações), para inserir serviços de internet e telefonia em escolas e biblioteca, redes de alta velocidade para teleconferências e alterar o marco regulatório para permitir o atendimento a áreas remotas e à população de baixa renda.

Outro fato importante é que as licenças de cobertura de internet móvel, não incluem todos os distritos, em tese as regras preveem o atendimento de 80% da área urbana do distrito sede e mais uma faixa de 30 quilômetros além das delimitações do distrito principal e por isso os distritos que estão fora dessa região não são obrigados a ter cobertura móvel.

Segundo a Telebrasil, as redes das prestadoras de serviço no Brasil tem uma cobertura muito maior do que o definido nas regras e assim conseguem alcançar vários locais onde o acesso à internet móvel não seria possível. A cobertura 3g está presente em 5.301 municípios, onde moram 99,3% da população do país, já o 4g está disponível em 4.122 municípios brasileiros e alcança cerca de 94% da população.

A Telebrasil ainda defende que as operadoras façam mais para ampliar o serviço, ela entende que as telecomunicações e as tecnologias da informação devem ser consideradas como essenciais para o governo, pois são as principais engrenagens que estimulam o desenvolvimento sustentável, a inclusão social gerando empregos e renda para a população.

 

*Estagiária sob supervisão da editoria