Cortesia Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Wellington Diniz

Há muito tempo os animais de estimação deixaram de ser considerados apenas uma distração para as crianças e se tornaram parte das famílias. De olho neste mercado, que cresceu consideravelmente, hoje os pet shops oferecem, além de cuidados de higiene, como tosa e banho, serviços de saúde e uma gama de produtos específicos, principalmente para gatos e cães.

No Dia do Médico Veterinário, a categoria alerta que, com o aumento dessa oferta, deve aumentar também o alerta dos donos em relação ao bem-estar de suas mascotes, cuja saúde só deve ser entregue nas mãos de profissionais com formação específica para isso.

Em entrevista ao CadaMinuto, por meio da assessoria de Comunicação do Conselho Regional de Medicina Veterinária em Alagoas (CRMV/AL), o médico veterinário responsável pelo setor de fiscalização do órgão, Wellington Diniz, informou que o Estado possui 34 consultórios e 59 pet shops registrados junto ao Conselho. Destes, 13 consultórios e 42 pet shops estão em Maceió.

Alerta

Assim como os humanos precisam fazer visitas periódicas ao médico e estar com o calendário de vacinação em dia, com os animais não é diferente, mas é preciso estar atento para os profissionais que executam essas funções. Diniz lembrou que “os estabelecimentos que realizam procedimentos privativos do médico veterinário têm que, por obrigação, ter um profissional formado como responsável técnico e tais procedimentos não devem ser realizados por terceiros, salvo se estiverem na presença do profissional e como auxiliares”.

Reforçando a importância da presença do profissional nesses locais, o também médico veterinário e empresário do setor, Cícero Américo da Silva Júnior, reiterou a fala do fiscal do CRMV: para consultas e aplicação de medicamentos, “assim como apenas o médico pode consultar o humano, só o veterinário pode consultar cães e gatos, pois ambos tiveram sua formação e todo um estudo preparatório para isso. Além disso, todo estabelecimento que tem exposição de vendas de animais, banho e tosa precisa ter um responsável técnico que deve ser um médico veterinário formado e com o CRMV em dia”.

Fiscalização

Buscando inibir e coibir que pessoas sem a devida formação desempenhem o papel de médicos veterinários e coloquem em risco a vida de animais, o CRMV realiza fiscalizações periódicas a esses estabelecimentos, “embora algumas determinações legais busquem reduzir o poder de atuação dos CRMVs em relação a alguns estabelecimentos, como agropecuárias ou pet shops para que não comercializem agentes biológicos (vacinas) e ou medicamentos de uso controlado”, pontuou.

Os clientes devem estar atentos ao escolherem onde fazer o tratamento de seus animais de estimação, uma vez que em muitos estabelecimentos a presença de profissionais é escassa e “existe muito charlatanismo, que é quando alguém que não tem formação tenta se passar por um médico veterinário e isso é caso de polícia”, reforçou Cícero, destacando que o Conselho fiscaliza apenas médicos veterinários formados e seus estabelecimentos.

Informação e Denúncia

Para evitar surpresas desagradáveis e até irreparáveis, os clientes devem buscar referências e informações sobre os estabelecimentos e os profissionais. Wellington Diniz recomenda que o tutor do animal se certifique se o profissional está regularmente inscrito no conselho de classe e busque referências do estabelecimento veterinário onde pretende levar o animal.

O fiscal do CRMV orientou ainda que, caso o cliente sinta que foi lesado ou houve algum tipo de mau trato com seu bichinho, ele deve se encaminhar à delegacia especializada contra danos ambientais, que fica localizada no bairro de Fernão Velho, como também à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e fazer a denúncia junto a Comissão de Bem-Estar Animal.

Já quando a queixa é referente ao atendimento do profissional, o cliente deve encaminhar denúncia ao CRMV, relatando todo o ocorrido, munido de todas as provas do atendimento ao agravo profissional, como comprovante de pagamento, vídeo, foto, prontuário e exames realizados, recomendou.

Morte

Infelizmente a morte de um animal de estimação vem carregada, obviamente, de muita tristeza e também, em alguns casos, da dúvida de como proceder nesse momento e do que fazer com o corpo.

O fiscal do CRMV comentou que o corpo animal entra em estado de putrefação, fazendo com que se transforme numa possibilidade de fonte de poluição ao meio ambiente. Logo, o recomendado é buscar estabelecimentos especializados em cremação animal, que respeitam ou diminuem os impactos ambientais causados pelos resíduos desses cadáveres.

Comemorações

Ainda por meio de sua assessoria, o CRMV/AL informou que, em comemoração ao Dia do Médico Veterinário, acontece no dia 12 de setembro, a noite solene da XVII Semana Alagoana de Medicina Veterinária, com a entrega do Prêmio Médico-Veterinário Abelardo Teixeira Moura, que este ano fará a homenagem ao Médico-Veterinário José Évio Lopes Lima (In memoriam), falecido recentemente, e às Indústrias Reunidas Coringa Ltda, em nome de seu gerente Comercial e de Marketing, Sérgio Murilo da Silva Pinheiro.

Também homenageada da noite, a Médica-Veterinária Raíssa Karolliny Salgueiro Cruz receberá o Prêmio Destaque da Medicina Veterinária Alagoana 2018. O evento será realizado no auditório do CRMV/AL, na Rua 26 de abril, 299, no Poço, a partir das 19h30.

Sem esquecer o incentivo à qualificação profissional e à atualização permanente de conhecimento, o CRMV/AL garantiu ainda apoio à realização da 5ª Semana de Medicina Veterinária, organizada pela Coordenação do Curso de Medicina Veterinária da UFAL, que acontece entre os dias 13 e 15 de setembro, no Centro de Ciências Agrárias (Ceca), em Rio Largo, e na Unidade de Ensino Fazenda São Luiz, em Viçosa.