4924b2df 5285 4d54 b13c 774b9718b83f

Em ataque frontal ao clima beligerante que se impôs no país por conta das narrativas políticas que mais se preocupam com seus projetos de poder que necessariamente com a verdade, o jornalista Luciano Trigo escancara – em sua nova obra, Guerra de Narrativas: a crise política e a luta pelo controle do imaginário – os males da “bolha ideológica” instaurada no Brasil, em que grupelhos partidários falseiam fatos, mentem descaradamente e ainda vendem para a população a bravata de serem eles o “monopólio das virtudes”.

Sem exageros e pautado pelos fatos das últimas décadas nesse país, Luciano Trigo resgata o exercício da ciência política feita de forma inteligente. E isso se faz presente das epígrafes aos capítulos muito bem ordenados e coordenados entre si.

Trigo é irrefutável ao mostrar a ladainha do lulopetismo, mas ao mesmo tempo não esquece o populismo de alguns dos adversários.

Os dois primeiros capítulos de Guerra das Narrativas já deixam claro o tom acertado da obra e possuem um grande mérito: a capacidade de tornar didáticos assuntos que requerem a compreensão do pensador Antonio Gramsci, uma das bases da esquerda moderna no Brasil, e outros filósofos deste campo de pensamento.

Tudo isso aplicado à análise dos fatos e do funcionamento de um estamento burocrático que tomou conta do poder e pretende se manter nele eternamente ao sabor da corrupção generalizada.

Luciano Trigo mostra que tal estamento – definido pela primeira vez pelo intelectual de esquerda Raymundo Faoro – não se trata mais apenas dos três poderes instituídos, mas sim da ocupação dos meio culturais para a construção de uma hegemonia utilizando-se de “intelectuais orgânicos” que professem o mesmo credo, alinhados a uma ideologia.

É o que o autor chama de “Escola Com Partido”, por se fazer presente em redes de ensino, nas universidades, mas indo muito além, pois também estamos falando de artistas e intelectuais engajados muito mais compromissados na defesa de um lado político-ideológico que pela busca da verdade.

Uma das notas de rodapé sobre Gramsci, presente no segundo capítulo, tem um poder de síntese invejável. Nela se pode vê claramente a importância da doutrinação ideológica nesse processo. Trigo ainda associa tais conceitos a episódios recentes de nossa história que poderiam passar batido, como quando o autor vai resgatar uma analogia com um antigo comercial da Folha de São Paulo em que se falava de Hitler para mostrar o quanto é possível mentir usando da verdade. É uma sacada genial.

O livro de Trigo serve de alerta para o perigo de todos os populismos, independente em qual corrente ideológica este se apoie. Como bem coloca o jornalista, “nesse processo de balcanização da sociedade, a atmosfera de animosidade e embrutecimento se tornou irrespirável: amigos romperam relações, parentes deixaram de se falar. O país se fragmentou em uma briga de facções cheias de ressentimento e impermeáveis a qualquer possibilidade de diálogo. Nunca se defende tanto a tolerância: nunca se praticou tanto a intolerância”.

Some-se a isso a reflexão essencial de que o fenômeno que fez de alguns governistas independente dos males que o governo cause, virou um “imperativo moral” (como frisa o autor) dentro de uma ideologia, “mesmo quando o governo roubava, mentia, corrompia ou caluniava”.

Em resumo, Luciano Trigo escancara a fábrica de narrativas e mostra – de forma prática – que toda ideologia é um conjunto de ideias que traveste um fim político. Ao ponto de, como já constatou o escritor George Orwell, a liberdade de pensamento ser um início de um pecado mortal e mais tarde uma abstração sem sentido.

É o que Orwell classificou, em 1984, como crimideia, quando o Estado totalitário consegue dizer até o que pode ou não ser pensado, por meio de uma reformulação da linguagem. Em nosso tempo, o tal dos exageros do politicamente correto.

Em que pese ter algumas pequenas divergências com o autor, reconheço que até as críticas feitas a alguns populismos de direita são bem-vindas nesse momento, sobretudo quando se enxerga uma direita como sendo um bloco hegemônico.

A obra de Luciano Trigo é uma ode à liberdade. Uma defesa de algo tão caro às democracias: a liberdade de pensamento, expressão e do combate às ideias. Também acaba sendo, como já havia definido o pensador Micheal Oakeshott, uma radiografia do racionalismo articulado das ideologias que resulta na fé política, quando alguns – que se sentem iluminados – desrespeitam a tudo e a todos em nome da utopia do mundo melhor que se encontra em suas cabeças.

Estou no twitter: @lulavilar