Reprodução web Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Sua barriga não cresceu, você não sentiu enjoos matinais e nem se quer todos os desejos estranhos. Mas, tenho certeza que você abriu mais espaço em seu peito e seu coração cresceu com todo o amor que veio junto ao seu filho (a). O momento em que você o avistou pela primeira vez deve ter sido algo mágico e único. É por isso que você se preparou e esperou por cerca de 9 meses para descobrir o que, na verdade, já o esperava a vida inteira.

Para ser pai não há um manual, daqueles que vem repleto de normas e dicas dizendo o que deve ou não ser realizado – até mesmo por que são com erros e acertos, com as noites mal dormidas e os momentos de desespero, nos quais você nunca imaginou passar e que ninguém faz a menor ideia do que fazer adiante, que se aprende.

Existem os papais de primeira viagem e os que são mais experientes no assunto. Assim como tem aqueles que não partilham do mesmo sangue, mas da alma; avôs, tios e padrinhos que se encaixam e cumprem muito bem o papel. Tem aquele pai que é brincalhão, o sério, o ciumento e, até mesmo, o que é baladeiro. Para a sorte dos filhos, existem pais de todos os jeitos, cores, tipos, e estilos, mas uma coisa é quase comum a todos eles: o amor.  Também não podemos esquecer que pais são mestres em protagonizar história engraçadas, fofas e  até mesmo constrangedoras.

As primeiras palavras, os primeiros passos, as primeiras conquistas, todos os momentos serão significativos e encherão você de felicidade. De alguma forma você muda quando se torna pai. Sabendo disso, a reportagem do CadaMinuto entrevistou alguns pais e preparou uma matéria especial para este dia que faz jus aos papais de plantão. Confira:

A rotina de Ryan di Sun começa cedo, às 6h da manhã. O menino de 12 anos vai à escola, dorme à tarde, estuda, joga bola e vai à piscina com os amigos. À noite joga videogame e, aos finais de semana, vai ao cinema ou a um restaurante.

O professor de jiu-jitsu Riane di Sun Ribeiro, de 39 anos, é pai, em tempo integral, de Ryan. Ele conta que ser pai foi a melhor coisa que já lhe aconteceu, pois além de filho, Ryan é seu amigo e companheiro.

De acordo com Riane, a paternidade não foi planejada, mas fez com que sua vida mudasse radicalmente. "Eu aprendi o que era amor de verdade e a ter responsabilidade. Quando ele [Ryan] veio morar comigo, eu tive que mudar toda minha rotina e até aprender a cozinhar", explica Riane.

Ainda segundo Riane, não existem momentos negativos quando o assunto é a paternidade, nem mesmo quando o assunto é abrir mão de algumas coisas. "Já deixei e deixo de fazer várias coisas por ele. Troco qualquer tipo de "farra" pra ficar com ele. Acho que filhos são espelhos do amor dos pais, desde a educação até a forma que você é tratado", relata o professor.

O pai de Ryan afirma que sempre esteve presente em todos os momentos do filho e deixa um recado para os pais que não se fazem presentes nas vidas dos filhos: "Só tenho a lamentar, pois não sabem o que é ver seu filho crescer, ter um amor tão verdadeiro e recíproco. Enfim, ter um verdadeiro amigo ao seu lado. Você tem uma pessoa de quem você pode cuidar e depositar toda sua confiança. Ser pai é a coisa mais maravilhosa do mundo!", finaliza Riane.

Leo Dom que é pai do João, de 4 anos,  fruto  do seu primeiro relacionamento, e do Lucas de apenas 7 meses, que é fruto de seu último relacionamento, conta que a melhor coisa que lhe aconteceu foi  ser pai. Além disso, ele disse que muita coisa da sua rotina mudou. No entanto, ele não se arrepende e é muito grato por tê-los ao lado.  “Ser pai é algo surreal, meu filhos são ótimos parceiros.”

De acordo com Leo, todos os momentos com os filhos são positivos, desde o momento em que pode acordar com eles, dar comida, dar banho, leva-los para um passeio, jogar bola com o João ou fazer qualquer outra coisa. O importante é sempre tê-los por perto. Mas o que o deixa mal é quando um dos seus pequenos está triste ou doente.

Leo Dom relata que desde que se tornou pai tudo mudou, pois antes não tinha nenhuma preocupação e estava acostumado com a vida de solteiro. “Nunca pensei que iria aprender a fazer gogó ou até mesmo trocar faldas. No entanto, hoje em dia faço tudo isso”.

“Tudo muda, eu geralmente acordava por volta das 09h, depois do nascimento do Lucas acordo às 05h... Passei a ter mais responsabilidade, hoje em dia meus filhos estão em primeiro lugar, depois penso em mim.”, explicou.

“Já deixei de sair para ficar com eles. Assim como, já deixei de comprar para mim para poder comprar pra eles e não me arrependo. Quero sempre o melhor para os meus filhos.”, disse.

O pai dos meninos, explicou ainda que, devido à separação e a rotina, ele só consegue ver os meninos no seu dia de folga. E que, apesar do pouco tempo, quando eles estão juntos a dedicação é total.

“Ser pai é a experiência mais transformadora que você pode ter na vida. Você tem que rever suas prioridades, refazer seus planos para o futuro, é preciso ter dedicação total para os filhos. Um pai sempre será para seus filhos ser um Super Herói, um Super Pai.”, esclareceu.

Leo relata que ser pai nem sempre foi fácil e que chegou a ficar um tempo sem ver o João, devido alguns problemas no relacionamento anterior, e aconselha aos pais que por algum motivo se afastaram dos filhos a tentar se reaproximar.

“Um filho é tudo! Não deixe de ver seu filho(a) e não o deixe de lado, por que existe ex-mulher, ex-amigo, ex tudo... Só que nunca vai existir um ex-filho! Sempre dê o melhor para seus filhos, tente fazer o máximo para ajudar de qualquer forma para melhorar sua relação com eles(as), pois é preciso pensar também no futuro, quando ficarmos velhinhos e eles(nosso filhos) é quem estarão cuidando da gente. Por isso, hoje eu  mato e morro pelos meus.”, aconselhou.

Leo diz ainda que os exemplos devem começar em casa, que os filhos acabam sendo reflexo dos pais e da família e que o mundo está aí para ensinar o que é errado, mas em casa é que se deve ensinar e mostrar exemplo de como se deve ser.

“Uns não pensam em ser pai. Mas até hoje a minha família apoia em tudo e me dá muita força para que não perca o equilíbrio e mantenha a calma e a postura, até por que muitas vezes não é fácil, embora, no final tudo é muito gratificante. Meus filhos são a minha vida e eu os amo demais”, finalizou.

*Estagiárias sob supervisão da editoria