Amigos, em tempos de crise muitos gastos são revistos e contratos substituídos, é o que acontece atualmente com os planos de saúde, os consumidores estão em busca de um custo menor a cada dia.

 

As empresas buscam novos clientes a todo momento, para tanto, utilizam diversas estratégias de marketing, que nem sempre respeitam o consumidor e pode inclusive coloca-la em situação de fragilidade.

 

De acordo com os corretores, não existe nenhum plano com carência zero, não existe nenhum impeditivo legal para a oferta, sabendo o plano que caso anuncie deverá cumprir, porém se houver algo que não esteja incluso deverá ser explicitado ao consumidor.

 

A Agência Nacional de Saúde determina os prazos de carência: 24 horas para casos de urgência e emergência; 180 dias para consultas, exames, internações e cirurgias e 300 dias para partos a termo (o que não inclui parto prematuro). Os planos coletivos por adesão e empresarias acima de 30 clientes não precisam cumprir esses prazos. Mas esses planos são feitos para pequenas e médias empresas, e o beneficiário precisa ter vínculo com a pessoa jurídica, ser sócio, empregado ou dependente. 

 

O consumidor que trocar de operadora e a nova empresa assumir a carência que já foi cumprida no plano anterior.

 

Portanto temos que tomar cuidado ao aderir a novos planos, cabe à fornecedora informar ao consumidor todas as carências, se a explicação for genérica não temos dúvida que a empresa responderá e deverá arcar com os custos.

 

Em caso de dúvida procure um advogado da sua confiança.

 

Twitter: @MarceloMadeiro

E-mail: [email protected]

Facebook: Marcelo Madeiro

 

A música de hoje é de Caetano Veloso.

 

Podres Poderes

Caetano Veloso

 

Enquanto os homens exercem
Seus podres poderes
Motos e fuscas avançam
Os sinais vermelhos
E perdem os verdes
Somos uns boçais

Queria querer gritar
Setecentas mil vezes
Como são lindos
Como são lindos os burgueses
E os japoneses
Mas tudo é muito mais

Será que nunca faremos senão confirmar
A incompetência da América católica
Que sempre precisará de ridículos tiranos
Será, será, que será?
Que será, que será?
Será que esta minha estúpida retórica
Terá que soar, terá que se ouvir
Por mais zil anos

Enquanto os homens exercem
Seus podres poderes
Índios e padres e bichas
Negros e mulheres
E adolescentes
Fazem o carnaval

Queria querer cantar afinado com eles
Silenciar em respeito ao seu transe num êxtase
Ser indecente
Mas tudo é muito mau

Ou então cada paisano e cada capataz
Com sua burrice fará jorrar sangue demais
Nos pantanais, nas cidades
Caatingas e nos gerais

Será que apenas os hermetismos pascoais
E os tons, os mil tons
Seus sons e seus dons geniais
Nos salvam, nos salvarão
Dessas trevas e nada mais

Enquanto os homens exercem
Seus podres poderes
Morrer e matar de fome
De raiva e de sede
São tantas vezes
Gestos naturais

Eu quero aproximar o meu cantar vagabundo
Daqueles que velam pela alegria do mundo
Indo e mais fundo
Tins e bens e tais

Será que nunca faremos senão confirmar
Na incompetência da América católica
Que sempre precisará de ridículos tiranos
Será, será, que será?
Que será, que será?
Será que essa minha estúpida retórica
Terá que soar, terá que se ouvir
Por mais zil anos

Ou então cada paisano e cada capataz
Com sua burrice fará jorrar sangue demais
Nos pantanais, nas cidades
Caatingas e nos gerais

Será que apenas
Os hermetismos pascoais
E os tons, os mil tons
Seus sons e seus dons geniais
Nos salvam, nos salvarão
Dessas trevas e nada mais

Enquanto os homens
Exercem seus podres poderes
Morrer e matar de fome
De raiva e de sede
São tantas vezes
Gestos naturais

Eu quero aproximar
O meu cantar vagabundo
Daqueles que velam
Pela alegria do mundo
Indo mais fundo
Tins e bens e tais!
Indo mais fundo
Tins e bens e tais!
Indo mais fundo
Tins e bens e tais!