Uma agenda de cooperação internacional entre a região italiana da Emilia Romana ( Norte da Itália) e o Estado de Alagoas foi definida nesta sexta-feira (25), último dia do Seminário Internacional de Gestão do Desenvolvimento de Áreas Costeiras, que acontece desde a última quarta, em Maragogi.

Um projeto de gestão integrada é um dos principais focos do acordo, que vai facilitar ainda colaborações acadêmicas entre a Universidade de Ferrara e instituições de ensino superior de Alagoas, a exemplo de um programa de mestrado na área de desenvolvimento territorial, que este ano foi aplicado em Pernambuco.

O acordo foi discutido entre o governo de Alagoas, representando pelo secretário de Estado do Planejamento e do Orçamento, Sérgio Moreira, e o representante do reitor da Universidade de Ferrara para programas com a América Latina, professor Gianfranco Franz.

A elaboração da agenda propositiva contou ainda com a Confederação Nacional da Indústria, representada pelo diretor de Cooperação Internacional, Renato Caporalli. Pelo Sebrae, a gerente da Unidade de Turismo, Artesanato e Cultura, Vanessa Fagá Rocha; e pela FIEA, a coordenadora de Desenvolvimento Empresarial, Eliana Sá. A relatoria do seminário ficou sob responsabilidade da professora Cecília Lustosa, da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

O terceiro dia do seminário contou com palestras focadas na defesa do meio ambiente nas ações de desenvolvimento de áreas costeiras. O professor da Universidade de Molise, Davide Marino, tratou da proteção dos valores ambientais do território, como instrumento de valorização dessas áreas.

Ele trabalha com o conceito de biodiversidade aplicado ao desenvolvimento de áreas rurais e apresentou uma série de experiências inovadoras, de ações baseadas em modelos participativos atentas à vocação local.

O debate foi complementado pelo engenheiro Pierluca Gaglioppa, que também demonstrou áreas em diversas partes do mundo que se desenvolvem a partir do reconhecimento da biodiversidade como geradora de valor econômico, desde que respeitada sua conservação.

A segunda mesa tratou da evolução da pesca no delta do rio Pó, na região da Emilia Romana, do aproveitamento livre à adoção de programas de gestão. A palestra foi ministrada pelo professor Giuseppe Castaldelli, da Universidade de Ferrara, que relacionou as semelhanças da área com a costa alagoana.

Castaldelli propôs atividades que envolvem desenvolvimento responsável da pesca e do turismo, a partir de técnicas de baixo impacto ambiental, respeitando os aspectos socioculturais e, sobretudo, naturais.

Na última mesa do evento, o empresário Marco Gonnella apresentou modelos para realização de obras de grande porte, com baixo impacto em zonas costeiras. Ele realiza, na Itália, pesquisas aplicadas em projetos e serviços técnico-científicos nos setores de engenharia marítima, costeira e fluvial, respeitando a salvaguarda do ambiente, do território e dos recursos naturais.