Divulgação Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Corpo de Bombeiros foi acionado

No início da semana o governador do estado, Renan Filho, confirmou que editais para concursos públicos estão sendo preparados. Porém, oficiais do Corpo de Bombeiros não concordaram com as 150 vagas destinadas para a corporação e criticaram a decisão do governo.

O último concurso realizado para o Corpo de Bombeiros aconteceu em 2006, para 600 vagas. Atualmente a corporação tem cerca de 1.680 militares, mas a necessidade seria de 2.600. Diante do atual cenário e com o anúncio do concurso para 150 vagas, 11 anos depois, oficiais afirmaram que as vagas não atendem a necessidade da corporação e principalmente da sociedade.

O Tenente Coronel Carlos Burity, falou em tristeza e que espera que o governador reveja o número de vagas. “Tristeza! Tristeza de todos! Esperávamos um acolhimento maior já que o governador sempre mostrou muito carinho por nós. Carinho declarado inclusive durante a campanha. Acreditamos que ele vai rever esses números porque ele vai procurar saber porque esse número de 150 vagas. Como diretor de comunicação da ABMAL fiz essa postagem porque assim meu coração mandou e porque vivo intensamente o dia a dia da profissão.  Sei o que significa um aperto nas mãos de alguém pedindo para não morrer e durante a operação morre olhando pra mim. Precisamos aumentar o efetivo após 11 anos para espalhar esse serviço de qualidade pelos quatro cantos de Alagoas”, afirmou.

A opinião foi reforçada pela Major Camila Paiva, que apontou o Corpo de Bombeiros como uma das instituições com maior credibilidade no país. “Entre a consternação e a frustração venho pedir ao Governo de Alagoas e mais especificamente o Exm° Sr Governador do Estado, que reavalie essa quantidade irrisória de vagas diante do fato de estarmos há 11 anos sem concurso. Diante do fato de que são previstos mais de 1300 soldados no nosso quadro e atualmente só temos cerca de 80 para atender a todo o estado; diante do fato de que se torna quase impossível prestar um serviço de excelência, como é o nosso objetivo diário, se não temos efetivo suficiente para que continuemos dedicando nossas vidas à sociedade alagoana. Espero que o Governo conheça os números que mostram o quanto defasado está nosso efetivo, contendo menos da metade do necessário, e se sensibilize com a situação da corporação, primeiro lugar em 9 anos consecutivos como a Instituição de maior credibilidade do país. E mais, ainda se sensibilize com a população, motivo exclusivo da nossa existência e da nossa missão”, disse.

Presidente da Associação dos Bombeiros Militares de Alagoas (ABMAL), Sargento Ramalho, lamentou a decisão do Estado. “Realmente a situação é triste. Após longos 11 anos de espera, com apenas 4,8% do efetivo de soldados previstos, somos frustrados com a notícia de 150 vagas que nem ao longe supre nossa necessidade. Estamos contado com o apoio da sociedade e a sensibilidade e olhar técnico do governo do estado, pois a corporação toda não entende esse tratamento. Segurança Também se faz com prevenção e nós estamos falando de vidas”, esclareceu.

 Por fim, a associação já encaminhou ofício para o secretário  do gabinete civil, Fábio Farias e ao secretário do  planejamento e gestão Fabricio Marques, com os seguintes  gráficos, que apontam a população assistida e a população  desassistida e o número de soldados previsto em lei e o  existente.

O edital está em fase de conclusão para ser lançado no próximo mês, restando apenas a escolha da instituição que irá realizar a organização do concurso.