Foto: Ascom/ALE/Arquivo 63a5e543 95ee 4e0f a0bb 521f9327f072 Deputado Ronaldo Medeiros

Ao usar a tribuna para repercutir os atos realizados em todo o País nesta quarta-feira, 15, contra a Reforma da Previdência, o deputado Ronaldo Medeiros (PMDB) foi duro nas críticas destinadas a Michel Temer, seu colega de partido: “Eu até pensei que o presidente não tinha lido a matéria quando enviou, de tão absurdas que são as propostas... Achei que, em sã consciência ele não teria coragem de enviar um projeto daquele contra a classe trabalhadora”.

Medeiros recriminou ainda a afirmação feita por Temer em entrevistas à imprensa, de que os brasileiros entendem e aprovam a reforma da forma como ela foi enviada ao Congresso. “É uma afirmação de quem não está psicologicamente nem mentalmente bem”, disparou.

Em outro ponto do discurso, o deputado disse que Temer mente ao falar que os programas sociais correm risco se a reforma não for aprovada: “Ele mente, porque a seguridade social tem recurso, a previdência não é deficitária... Pelo contrário... Nosso presidente quer destruir a Previdência e o trabalhador do Brasil”.

 “O brasileiro entende que reforma é absurda, desumana e sei que Congresso vai ter juízo na hora de votar”, finalizou o deputado, lembrando que a proposta atingirá principalmente os trabalhadores rurais do Nordeste, que dificilmente irão conseguir se aposentar.

Palavras fortes

Em aparte, o deputado Bruno Toledo (PROS) disse que a reforma é necessária, mas “exagerada” nos moldes apresentados pelo governo federal. Ele também se mostrou surpreso com o pronunciamento forte de Medeiros e sugeriu até que o colega deixasse o PMDB, “partido do presidente que quer destruir a Previdência”.

Ronaldo Medeiros reforçou sua fala, acrescentando que Temer já destruiu a Previdência ao extinguir o Ministério da pasta, que se transformou em um puxadinho do Ministério da Fazenda. “Da forma como eu discordo, a maioria da bancada do PMDB nessa Casa também discorda (da reforma). O líder do PMDB no Congresso discorda, porque a diferença de um remédio para o veneno é a dose. E a dose dessa reforma é exagerada”, afirmou.

Os deputados Dudu Hollanda, Galba Novaes (PMDB), Rodrigo Cunha (PSDB) e Jó Pereira (PMDB) também fizeram apartes ao pronunciamento, lembrando a importância de repercutir o assunto junto à bancada federal.

“Somos do partido do presidente, mas isso não nos impede de nos posicionar contra a reforma que tem afetado todos os brasileiros”, destacou Jó Pereira, pedindo a Medeiros que divulgue a audiência pública proposta por ele para discutir o tema em Alagoas no dia 24 deste mês: Se cada assembleia se posicionar, vamos ter excelentes frutos”.