Nesta quarta-feira (23), a partir das 6h30, o Sindicato Unificado dos Trabalhadores Petroleiros, Petroquímicos e Químicos de Alagoas e Sergipe – Sindipetro AL/SE realiza um ato público nas unidades da Petrobrás em Pilar e especialmente em São Miguel dos Campos, para relembrar um ano de morte de quatro trabalhadores depois de uma explosão na estação de tratamento de óleo de Furado, em São Miguel dos Campos. O acidente aconteceu em setembro do ano passado, quando um vazamento de gás em uma das válvulas de segurança da estação provocou explosão e incêndio, atingindo os operários Adeildo da Silva Santos, Miguel Ângelo Pereira Moisés, Adriano dos Santos e Eduardo Cabral Chagas que faziam serviço de manutenção na área.

A manifestação será precedida de um ato ecumênico em memória das vítimas desse episódio trágico, considerado o pior da história da Petrobrás em Alagoas. O ato contará com a presença dos parentes dos mortos e das famílias que residiam na Fazenda Conceição, onde fica localizada a Estação de Furado. As mais de 20 famílias que moravam no local foram despejadas pelo proprietário do terreno logo após o acidente e não receberam nenhuma assistência social e psicológica por parte da Petrobrás.

Durante a manifestação, o Sindipetro pretende cobrar a apuração rigorosa das causas do sinistro e o devido apoio às famílias das vítimas e moradores da região. “Até hoje a Petrobrás não demonstrou interesse de indenizar ninguém. Além do mais, a empresa que fala tanto em compromisso social, não prestou nenhum trabalho assistencial para cuidar de dezenas de crianças e adultos que ficaram traumatizados depois da explosão”, enfatizou o dirigente sindical Victor Bello.

Em meio à tristeza do fato ocorrido, o sindicato lembra que o momento também é de celebrar a conquista por moradia. Bello afirma que graças à pressão do Sindipetro e a intervenção do Ministério Público foi possível garantir que a Prefeitura de São Miguel dos Campos construísse casas populares para abrigar os moradores expulsos da fazenda Conceição.