Com a proposta de aumento do piso salarial de 25%, trabalhadores do setor canavieiro alagoano realizam assembléias simultâneas, no próximo dia 27, para aprovar a minuta do acordo coletivo que será apresentada a classe patronal. As reuniões serão realizadas nas sedes dos 45 sindicatos da zona canavieira. Com o reajuste, o piso do setor passaria dos R$ 477 para R$ 596.

 

Na minuta, a categoria contempla ainda o pagamento do piso garantia estipulado em R$ 20. “O piso atual de R$ 477 será válido até o dia 30 de outubro já que em 1º de novembro é a data-base da categoria”, acrescentou Antônio Torres, secretário de Formação e Organização Sindical da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura no Estado de Alagoas (Fetag/AL).

 

Após a aprovação da minuta, o documento será encaminhado para analise das empresas do pólo canavieiro. “Em seguida, serão marcadas as reuniões para o início das rodadas de negociações”, informou Torres, lembrando que durante a safra o setor emprega um contingente estimado em 120 mil trabalhadores rurais no corte da cana em Alagoas.

 

Com um reajuste proposto de 25%, o dirigente da Federação prevê uma negociação delicada com a classe patronal. “Eles irão usar o argumento de que não têm dinheiro para o reajuste. O motivo será a crise financeira. Mas o preço do açúcar está em alta no mercado. Nesta safra, por exemplo, as usinas vão produzir mais açúcar do que álcool. Isso já prova que terão mais recursos”, frisou Torres.