Atualizada às 18h11

Os organizadores locais do 14º Campeonato Brasileiro de Vaquejada transferiram o evento que aconteceria no município de Pilar entre os dias 23 e 27 deste mês, em Alagoas, para o município de Bezerros, em Pernambuco. A informação foi confirmada pelo vice-presidente da Associação Alagoana de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ALQM), Henrique Carvalho, na tarde desta segunda-feira (14). A medida foi tomada após a promotoria de Justiça de Pilar ter ingressado com uma ação pública pedindo a suspensão do evento.

Segundo o vice-presidente da ALQM, Alagoas foi prejudicada pelo pedido de tutela ingressado pelo promotor da comarca de Pilar, Jorge Dória e ressaltou que a organização quis evitar a ação do MP, por este motivo transferiu o evento para Bezerros, onde existe um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com o Ministério Público Estadual de Pernambuco. 

“O nosso estado perdeu R$ 1 milhão o que seria bom para a economia alagoana, além disto, cerca de mil pessoas foram prejudicadas porque trabalhariam no evento e não vão mais,  além dos leilões que sempre acontecem”, comentou Henrique Carvalho.

Henrique ainda ressaltou que as diárias dos hotéis e pousadas em Pilar foram canceladas e que o município de Pilar sediaria um dos maiores eventos de vaquejada. “O campeonato movimentaria o município fazendo com que os turistas comprassem nos mercados locais gerando uma boa quantidade de dinheiro para os comerciários”.

Justiça

Na ação civil pública, o promotor de Justiça Jorge Dória afirma que, durante a vaquejada, muitas lesões podem acontecer no momento da derrubada do boi, seja ela realizada enquanto uma “caçada livre”, seja realizada em uma situação simulada, como ocorrem nas competições festivas.

“Os maus tratos infringidos em decorrência destes movimentos são conhecidos e discutidos há longas datas, mesmo quando as lesões não são facilmente perceptíveis. Todavia, em outras situações, os movimentos, além de maltratarem o animal, também resultam em graves ferimentos e mutilações de fácil aferição como ocorre, por exemplo, quando a cabeça do boi é quebrada ou o rabo extirpado”, explica o promotor de Justiça.

Jorge Dória também destaca que o sofrimento imposto aos animais durante a competição tem como motivação a diversão de um pequeno grupo de expectadores. Ele também critica a finalidade lucrativa do evento ao custo da saúde dos equinos e bovinos.

“Em geral, a grande maioria das pessoas que aufere lucros com os serviços realizados em torno desses eventos possui outras atividades como meio de sobrevivência. Na competição, os chamados 'vaqueiros profissionais' são, muitas vezes, 'desportistas' atraídos por premiações em dinheiro que, ao adentrar na arena montados em cavalos adquiridos a peso de ouro (ou mais que isto!), preocupam-se muito mais com a apresentação pessoal, do que como bem-estar dos cavalos ou dos bois”, afirma o titular da Promotoria de Justiça de Pilar.

Confira abaixo a nota da ABQM e ALQM.

A Associação Brasileira de Criadores de cavalo Quarto de Milha (ABQM) juntamente com a Associação Brasileira de Vaquejada (ABVAQ) e Associação Alagoana de Criadores de Cavalo Quarto de Milha (ALQM) lamentam o prejuízo econômico sofrido pela cidade do Pilar-AL. Centenas de competidores e admiradores do esporte estavam programados para participarem do evento, considerado um dos maiores do Brasil, onde a estimativa de movimentação financeira gira em torno dos R$ 3 milhões.

Os prejuízos pela transferência do 14º Campeonato Brasileiro de Vaquejadas que seria realizada na cidade do Pilar-AL para o município de Bezerros-PE são incalculáveis, onde mais de 500 pessoas ficarão desempregadas, além de proprietários de hotéis e pousadas da região que tiveram centenas de reservas canceladas devido à falta de conhecimento acerca da prática da vaquejada moderna.

A perda de receita, empregos e giro da economia é o resultado da ação prejudicial dos "ativistas", que não passam de irresponsáveis com a nossa população, o empresariado local e a economia do Estado e que desconhecem a realidade da vaquejada moderna. 

Não é atoa que a atividade recebeu apoio de grandes instituições em todo o país: Governo de Alagoas, bancada federal alagoana (deputados e senadores, deputados estaduais, Defensoria Pública do Estado de Alagoas, além dos conselhos de medicina veterinário dos estados da Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Maranhão, Sergipe, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Rio Grande do Sul, Piauí, Minas Gerais, Paraná, Goiás, Alagoas e Paraíba.

Em toda sua existência, a ABQM e a ALQM sempre se caracterizaram por enfrentarem e saírem ainda mais engrandecidas de grandes desafios. O evento será realizado nos dias 24 a 27 de novembro, no Parque Rufina Borba em Bezerros/PE. Somos todos VAQUEJADA!

Leia Mais: MP tenta suspender campeonato de vaquejada em Pilar