O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemorou nesta quarta-feira (16) o resultado do Cadastro Geral de Empregos e Desemprego (Caged), que apontou a criação de 242 mil novas vagas no mercado formal de trabalho no mês passado. O resultado foi melhor do que o registrado em agosto do ano passado, período anterior à crise financeira internacional. Lula disse que economia pode gerar mais de 1 milhão de novas vagas até o final do ano.

“Eu estou muito feliz com o fato de termos batido o recorde de geração de emprego no mês de agosto. Isso significa que a gente pode continuar crescendo e, em setembro, pode ser muito melhor. E tudo indica que a gente pode ultrapassar 1 milhão de empregos num ano em que a gente estava numa crise profunda”, disse Lula.

Na avaliação de Lula, os números do Caged mostram que a economia já está a "todo vapor". “Eu acho isso extraordinário, e essa é a prova mais contundente de que a atividade econômica voltou a funcionar no Brasil a todo vapor.”

O presidente aproveitou para repetir que o governo tinha razão em dizer que o Brasil seria o último a entrar e o primeiro a sair da crise. Lula também voltou a atacar os analistas econômicos.

“Nós sabemos que ainda tem um espaço enorme de crescimento e acho que temos perspectivas enormes para o futuro do país, o que demonstra o acerto do nosso discurso, de que o Brasil seria o último a entrar na crise e o primeiro a sair da crise. Aqueles que apostaram na desgraça, espero que reflitam muito bem antes de ficar fazendo prognóstico equivocado sobre crise econômica”, afirmou.

Vale

Lula pediu nesta quarta que empresas como a Vale mudem o perfil de suas exportações para agregar mais valor aos produtos que comercializam. Ele negou que tenha divergências com a direção da empresa.

“Vocês estão acompanhando uma pseudodivergência minha com a Vale. Não tem divergência minha com a Vale. Eu apenas quero que ela exporte um pouco de valor agregado desse país. Que gere mais riqueza. Que compre navios no Brasil, e não na China. Qual a chance que nós temos de desenvolver nossa indústria se nós mesmos compramos lá fora?”

Segundo ele, o “setor siderúrgico brasileiro ainda está acanhado". "Embora tenha havido uma modernização, do ponto de vista quantitativo, nós produzimos apenas 35 milhões de toneladas [de minério], contra 540 milhões da China.”

Lula contou durante o discurso em comemoração dos 45 anos de fundação do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea) que também teve que convencer a Petrobras a comprar plataformas no Brasil, e não em Cingapura, apesar de custarem mais caro aqui.

 

Segundo ele, as empresas, mesmo privadas, têm que “pensar no país”. “Uma indústria, mesmo que seja privada, ela tem a responsabilidade de pensar no país tanto quanto o presidente da República”, afirmou.