Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Maria do Rosário, ex-ministra dos direitos humanos, era uma desarmamentista ferrenha, aborticionista, defensora das políticas afirmativas raciais, lutava pela punição dos – e apenas dos - militares acusados pela tal “Comissão da Verdade”, repetia o mantra de que cadeia não resolve, foi radicalmente contra a aprovação do Estatuto da Família e do Projeto de Lei 3772 que devolve ao cidadão a sua liberdade de defesa.

A questão é que a ex-ministra tinha alma histriônica, seus bate-bocas, sua falta de intelectualidade, o fato de ter recebido doação de uma fabricante de armas para sua campanha, entre outras coisas mais, a transformaram em um espantalho. Acabou não sendo levada a sério nem mesmo por quem compartilhava de sua ideologia. Em suas últimas semanas de mandado, teria a própria Dilma dito “Cale sua boca. Você não entende disso. Só fala besteira”. Virou uma fonte inesgotável de “memes” nas redes sociais.

Flávia Piovesan é ideologicamente idêntica à Maria do Rosário, mas as semelhanças param aqui. Tida como referência mundial no que a esquerda padronizou como sendo “direitos humanos”, suas teses globalistas foram adotadas em vários tratados da União Europeia. De acordo com um amigo italiano, essas mesmas teses, foram consideradas radicais até mesmo pelo partido de extrema-esquerda Rifondazione Comunista, uma espécie de PSOL da Itália.

Assim que seu nome foi anunciado, pipocaram e-mails e mensagens. Todas alarmantes. Depois de sua entrevista para Rádio CBN, com a duração de apenas oito minutos, tudo foi confirmado pelas palavras da própria Secretária. Vai lutar contra o Estatuto da Família, em favor das políticas afirmativas, contra a aprovação do PL 3722 que chamou de retrocesso, afirmou que vai perseguir a punição dos “indiciados” pela Comissão da Verdade, afirmou que Jair Bolsonaro quebrou o decoro parlamentar por citar o coronel Ustra e, portanto, merece ser cassado. É a Maria do Rosário na versão “com mestrado”!

No perfil da Rádio CBN, deixei o seguinte comentário, que acredito ser um bom resumo de tudo isso: “Flávia Piovesan não é mais do mesmo... É muito pior. É uma espécie de Maria do Rosário com mestrado, com incontestável capacidade intelectual. Suas teses contra a liberdade de autodefesa, em favor do aborto e sua luta de vida para gerir o mundo sob a égide de uma lei universal criada sua imagem e semelhança, são tudo, são qualquer coisa, menos direitos e muito menos ainda humanos.”

Se estes são os tais direitos humanos, por favor, me tratem como bicho.

Link da entrevista.