Cerca de 18 mil alevinos foram colocados na sexta-feira, 04 de setembro, pela 5ª Superintendência Regional da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) em doze barragens localizadas na zona rural do município de Piranhas, sertão alagoano. Os peixamentos fazem parte de uma ação da Codevasf em parceria com a Prefeitura de Piranhas e devem promover a segurança alimentar a uma população de aproximadamente 15 mil habitantes, além de estimular a atividade pesqueira como geradora de trabalho e renda.


Os peixamentos foram realizados nas comunidades de Lagoa Nova, Itabaiana, Tanquinho, Passagem do Meio, Dois Riachos, Morro Vermelho, Olho D’Aguinha, Lajes, Patos, Mocó Branco, Barroca D’Água e Boa Vista dos Sitolhos. Estudantes do ensino fundamental da Escola Municipal José Bandeira de Medeiros estiveram presentes ao peixamento realizado na primeira barragem, situada no povoado de Lagoa Nova, onde aprenderam que somente após três meses, os peixes poderão ser pescados pela população.
Para o chefe da Estação de Piscicultura de Itiúba (EPI), Álvaro Albuquerque, as ações de peixamento são fundamentais para a revitalização da piscicultura na região do Baixo São Francisco, especialmente em zonas rurais com um população em situação social de maior vunerabilidade. “Essa é uma ação pioneira da Codevasf em Piranhas, pois é a primeira vez que realizamos um peixamento em barragens no município. A partir dos resultados sociais e ambientais, pretendemos realizar anualmente o povoamento de alevinos com o objetivo de manter as condições de pesca”, declarou.


Ele ainda destacou o impacto positivo que os peixes trarão à vida da população, já que uma das espécies colocadas nas barragens, o tambaqui, alimenta-se de caramujos, principal hospedeiro intermediário do verme parasita causador da esquitossomose.


Esse não é o primeiro peixamento que a Codevasf realiza em Piranhas. No dia 03 de junho, em meio às comemorações dos cento e vinte dois anos de emancipação política do município, foram soltos cerca de 600 mil alevinos nas águas do rio São Francisco. A recomposição da ictiofauna do vale do São Francisco é uma das ações da Codevasf dentro do Programa de Revitalização do chamado “Rio da Integração Nacional”.


Durante o peixamento, a prefeita de Piranhas Melina Freitas explicou para as crianças da escola municipal do povoado de Lagoa Nova a importância social e ambiental da ações de peixamento. “Essas ações fazem parte do programa de recuperação e melhoria das barragens municipais. Com esses peixes que a Codevasf está colocando em Lagoa Nova, seus pais poderão retirar o alimento para toda a família. Além disso, os peixinhos irão manter a barragem limpa, evitando a proliferação de doenças”, explicou.


O superintendente regional da Codevasf em Alagoas, Antônio Nélson de Azevedo, identifica nas ações de peixamento da companhia em Alagoas uma ferramenta de inserção social, ao passo que gera renda e trabalho para as populações atendidas e possibilta a segurança alimentar nessas comunidades. “São dezoito mil alevinos que daqui a três meses estarão nas mãos dos moradores dos doze povoados para comercialização ou consumo da família. Para uma empresa pública que atua com ações de desenvolvimento regional isso é gratificante”, definiu.


Os peixamentos em Piranhas também contaram com a presença de secretários municipais, vereadores, técnicos da Codevasf e da prefeitura de Piranhas e do desembargador Washington Luiz.