Tiago Lavinas - Globo Esporte.COM Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O Brasil está preparado para ser atacado pela Argentina. E até torce por isso. Prevendo um clássico equilibrado às 21h30 deste sábado, no Gigante de Arroyito, a seleção espera que os anfitriões tomem a iniciativa. Afinal, como segundo melhor visitante das eliminatórias sul-americanas, o time de Dunga já provou que sabe explorar a ousadia de mandantes

Nos sete jogos que disputou fora de casa na atual edição do qualificatório, o Brasil totalizou três vitórias, três empates e apenas uma derrota (diante do então líder Paraguai, 0 x 2). Se triunfar neste sábado, aumentará seu aproveitamento de 57% para 62% e assumirá a condição de visitante mais indigesto da competição.

Tal rótulo está atualmente com o Chile. Adversário da seleção pentacampeã na próxima quarta-feira, na Bahia, o time de Marcelo Bielsa somou 61% dos pontos que disputou longe de seu território: foram quatro triunfos, um empate e duas derrotas.

Diante da necessidade de vitória da Argentina, o Brasil projeta um rival ousado e agressivo. O setor ofensivo será formado por Dátolo, Messi e Tevez. O apoio da torcida no Gigante de Arroyito também pode colaborar para a ansiedade dos anfitriões em atacar. Os comandados de Dunga aguardam ansiosos.

"Eles atuarão com o estádio empurrando o tempo todo, precisam da vitória. E nós temos jogadores que sabem explorar os espaços na defesa adversária. Quando enfrentamos times que jogam de igual para igual facilita muito o nosso jogo. O problema é pegar rivais que ficam fechados, com dez jogadores na defesa", opinou Júlio César.

O desempenho das equipes fora de casa tem se mostrado um diferencial nas eliminatórias. Os três melhores nesse quesito ocupam as três primeiras posições da competição. Se na classificação o Brasil lidera e é seguido por Chile e Paraguai, no "ranking" dos visitantes o topo é do Chile; logo atrás aparecem brasileiros e paraguaios.

Mas mesmo tendo um bom retrospecto fora do país, o Brasil não deixa o otimismo passar dos limites. "Ninguém aqui pensa que será um jogo fácil. Eles escolheram esse estádio para trazer um pouco mais de pressão sobre nós. Sempre precisamos ficar espertos, principalmente contra a Argentina", alertou o capitão Lúcio.

Se vencer neste sábado, a seleção de Dunga pode selar sua classificação à Copa do Mundo com três rodadas de antecedência. Para isso, além de fazer sua parte, a equipe precisa torcer para que o Equador seja derrotado pela Colômbia.