Prefeitura de Maceió deu mais um passo, nesta quinta-feira (3), rumo à elaboração do Plano Municipal Integrado de Promoção do Direito Humano à Segurança, mais conhecido como plano “Maceió Mais Segura”. Os conselheiros do grupo de trabalho responsável pela elaboração do projeto se reuniram em Jaraguá, para dar início às suas atividades.

A primeira reunião foi aberta pelo prefeito Cícero Almeida e contou com a palestra da socióloga Ruth Vasconcelos, especialista em assuntos ligados à violência urbana. Durante sua apresentação, a professora da Ufal destacou que a violência em Alagoas, em especial na capital, “não nos permite apontar apenas a questão econômica como fator para sua origem, mas também às pessoas influentes do Estado”.

As informações passadas pela professora na palestra serviram de bússola para o andamento da reunião, com base em estatísticas do avanço da violência em Alagoas.

Segundo o secretário municipal de Direitos Humanos, Segurança Comunitária e Cidadania, Pedro Montenegro, a próxima etapa de elaboração do plano “Maceió Mais Segura” será ouvir as secretarias municipais de Educação (Semed) e Assistência Social (Semas), para saber delas quais as ações que já vem sendo executadas no município.

“Não se pode iniciar nada sem antes fazer um diagnóstico preciso da violência. E foi justamente sobre isso que conversei com os conselheiros ainda no dia da posse deles”, lembra o secretário. “A elaboração desse diagnóstico é como trocar o pneu de um carro com ele andando, já que enquanto trabalhamos a violência avança sem dar trégua”, compara Pedro Montenegro.

O prefeito Cícero Almeida já agendou um novo encontro do grupo de trabalho para a próxima quarta-feira, dia 9, às 9 horas da manhã, na sede da Prefeitura de Maceió. Em seu discurso, ele reforçou a tese de que o combate a violência não deve ser tratado de forma isolada, mas de maneira conjunta com todos os municípios de Alagoas.

“Trabalhei 22 anos como repórter policial e posso falar sobre o assunto com conhecimento de causa”, disse Almeida, que garantiu já estar em andamento boa parte das sugestões feitas pela Uncisal em um relatório da instituição entregue ao Ministério Público.

O prefeito citou ainda o caso da Favela de Jaraguá, que será demolida e os moradores transferidos para a Vila dos Pescadores, no Sobral. “A favela, por exemplo, é um ponto de venda de crack”, destacou Almeida.

NOVA CAMPANHA

Durante a reunião do grupo de trabalho do plano “Maceió Mais Segura”, também foi lançada a nova campanha de fiscalização a venda de bebidas alcoólicas e cigarros para menores de 18 anos. As peças publicitárias que encabeçam a campanha e que em breve estarão distribuídas por Maceió foram exibidas durante o evento.

“Essa campanha surgiu a partir de uma discussão com os conselheiros tutelares em parceria com a Secretaria de Comunicação (Secom) e a Secretaria Municipal de Governo”, revela o jornalista Marcelo Firmino, secretário de Comunicação do município. “É bom o estabelecimento comercial saber que há uma lei proibindo o comércio de bebidas para menores de 18 anos”, completa.