A coordenadora de Ações Estratégicas da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), Marta Celeste, apresentou na quarta-feira (2), durante a reunião do Conselho Estadual de Saúde (CES), os resultados dos programas Provida e Promater, que estão levando investimentos para os municípios alagoanos. Até agora, foram investidos nos dois programas, pouco mais de R$ 7 milhões nesses nove meses em que foram implantados.

De acordo com Marta Celeste, no Promater, programa de atenção à rede materno infantil, o governo destinou R$ 4.680,000,00 nas 13 microrregiões. No programa, está entre as prioridades a redução da mortalidade infantil e do número de partos cesarianos; implantação de comissões hospitalares e manutenção de equipes médicas completas (anestesista, pediatra e obstetra) e uma mínima com obstetra e pediatra.

Em relação ao Provida, foram destinados R$ 3.078,000,00, destinados a 12 microrregiões, porque em Maceió não existe esse programa. A maioria das unidades hospitalares que possuem os programas utilizaram os recursos para contratação de equipes médicas, aquisição de equipamentos, reforma, entre outros.

Ainda na reunião a secretária-adjunta, Júlia Levino, fez a apresentação do layout do Boletim Informativo do Conselho Estadual de Saúde, que será lançado nos próximos dias. A médica Zelda Pedrosa, da equipe técnica da Associação dos Deficientes Físicos de Alagoas, apresentou os serviços que a entidade oferece para os associados, que são financiados cem por cento com verba do Sistema Único de Saúde.

A diretora do Laboratório Central de Alagoas (Lacen), Telma Pinheiro, prestou esclarecimentos sobre o Sistema de Informação do Câncer de Colo do Útero (Siscolo), que tem como finalidade o controle de qualidade nos laboratórios públicos e conveniados ao SUS. A próxima reunião do conselho acontecerá no dia 16 de outubro em Maragogi.