Entrando na Era Virtual, o Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) substituirá o atual envio de processos judiciais para o Supremo Tribunal de Justiça (STJ). Agora, todos os processos serão digitalizados e enviados por meio eletrônico. A previsão é de que no próximo dia 03 seja inaugurada a nova ferramenta, após a assinatura do convênio com o STJ. A digitalização é uma das metas do ministro César Asfor Rocha à frente da Corte Superior de Justiça.

Para a presidente do TJ/AL, desembargadora Elisabeth Carvalho, a iniciativa veio em boa hora para o Poder Judiciário alagoano. “Além de reduzir custos com envio de processos, haverá maior celeridade e poderemos aproveitar melhor os espaços físicos, já que serão extintos os processos impressos. Ganha o STJ, o TJ/AL e todos que necessitam dos serviços da Justiça. Esse é o reflexo da Justiça célere, humanitária e acessível que tanto almejamos”, declarou.

Segundo Andréia Oliveira, da Diretoria Adjunta de Assuntos Judiciários do TJ/AL, a Justiça ficará mais eficiente, já que, com a digitalização, em apenas poucos minutos os processos serão recebidos, registrados, autuados, classificados e distribuídos aos relatores. “A digitalização acaba com os recursos remetidos em papel que serão enviados eletronicamente. Também vale ressaltar que no STJ a tramitação dos processos judiciais já é totalmente virtual. Essa realidade precisa chegar a todos os Tribunais do país”, afirma.

O software para o envio de processos eletrônicos ao STJ foi desenvolvido pela equipe de informática do próprio Superior Tribunal de Justiça e é cedido gratuitamente aos Tribunais de todo o país. O STJ disponibiliza também a equipe técnica para auxiliar na implantação do novo sistema e na capacitação de gestores e servidores nos tribunais.

Segurança e economia

O diretor da Diretoria Adjunta da Tecnologia da Informação (Diati) do TJ/AL, Sérgio Guimarães, afirmou que com a digitalização, os processos são transmitidos de forma segura, econômica e rápida. “Todo o processo de adaptação se deu internamente. Não precisamos adquirir nenhum equipamento novo, tudo foi feito com o que já tínhamos disponível e ainda economizaremos cerca de 220 mil que era gasto com envio dos processos pelos correios”, afirma.