Ilustração Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Bolsas grandes, sapatos de salto altíssimo e roupas bem justas são alguns símbolos da vaidade e da sensualidade feminina. Mas essas vestimentas e acessórios, principalmente quando usados com frequência, podem ser grandes vilões da saúde e da estética.

No caso das bolsas, para muitas mulheres quanto maior e mais objetos puder comportar, melhor. "O maior problema é que costuma-se carregar a bolsa apenas de um lado do corpo. Com isso, ossos do ombro, região cervical e lombar vão ficando assimétricos, e um dos lados tende a ficar mais torto que o outro", alerta o ortopedista Sérgio Xavier, do Hospital do Coração (HCor), em São Paulo.

Sérigo cita que aproximadamente 20 mulheres procuram o consultório mensalmente com queixas de dores graves nos ombros. Para evitar problemas, ele orienta: o peso nos dois lados têm de estar em total equilíbrio. "Se for necessário carregar muitos objetos, é preferível usar mochila. Assim, o peso será melhor distribuído entre os ombros. Mas, mesmo com mochila, o peso total não deve ultrapassar 20% do corporal", diz.

Se não tratada, a dor nos ombros pode se tornar crônica e desencadear uma série de problemas mais graves, que podem levar a tratamentos intensos, com fisioterapia e medicação, além de mudanças de hábitos. "Com o excesso do peso, junto com movimentos repetitivos e a falta de exercícios de compensação, a possibilidade de ter tendinite é grande", alerta o médico.

A atriz Mariana Costantini, 22 anos, é fã das maxibolsas e tem até coleção. "Nelas eu levo tudo: de casaco a nécessaires. Mas às vezes, quando exagero no peso, fico com os ombos marcados", conta Mariana, que também não dispensa outro item queridinho do público feminino: sapatos altos. "Não sei viver sem um saltão. Meus pés ficam doloridos, mas não perco a pose", admite.

Salto agulha e bico fino


Dores na coluna, hérnia de disco, desvios na postura e inchaços também podem surgir com o uso constante dos sapatos de salto alto, principalmente os tipo "agulha" e com bico fino. "Isso ocorre porque o peso do corpo fica concentrado na frente do pé, causando desconforto, bolhas, dor e, com o passar do tempo, deformidades nos pés", explica o fisioterapeuta Francisco Andrade Ribeiro.

"Para quem não quer abrir mão dos saltos, o mais saudável é optar pelos mais grossos, que dão melhor sustentação", recomenda.

Roupas justas favorecem a celulite


Roupas muito justas, principalmente em modelos confeccionados em tecidos grossos, significam riscos à saúde. "Além de prejudicar a oxigenação da pele e mucosas da vulva, e afetar a circulação sanguínea, roupa apertada, especialmente na altura do 'gancho' (vulva), pode comprimir os órgãos ginecológicos. E ainda contribuir para o surgimento de varizes e de celulite", avisa a ginecologista Elizabeth Eichler.

Alguns modelos podem ser mais prejudiciais: calças 'stretch' (tecido elástico), que dão pressão nas pernas; e calcinhas em lycra, que dificultam a oxigenação da pele, e favorecem fungos e infecções urinárias.

Previna os problemas sem perder a feminilidade
- Evite bolsas muito grandes, pois são atrativos para carregar ainda mais objetos.
- Não carregue a bolsa de um lado só. Alterne os ombros que vão sustentá-la.
- Se possível, prefira os modelos com alças transversais.
- Na hora de arrumar os objetos na bolsa, dê preferência para embalagens pequenas, como produtos de higiene e maquiagem.
- Evite carregar a bolsa no antebraço, pois pode haver o risco de aparecimento de lesões.
- Use sapatos de salto alto pelo menor tempo possível.
- Saltos mais grossos dão maior sustentação e equilíbrio.
- Ao escolher o sapato, opte pelos modelos confortáveis, não apertando em nenhum ponto.
- O mais saudável, para uso frequente, é optar pelos saltos de 3 cm a 6 cm.
- Não faça uso em excesso de calças jeans apertadas.
- Evite calcinhas em tecido sintético, como lycra, que impede a transpiração. As de algodão são mais confortáveis e não comprimem.