Tribuna União Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

Um fato triste abalou a cidade de Ibateguara neste domingo. Na manhã deste domingo, a dona de casa, Isabel Cristina da Silva, 37 anos, morreu por falta de atendimento médico enquanto dava luz a uma criança, que também não sobreviveu.

De acordo com o cortador de cana, marido e pai das vítimas, Everaldo Moreno da Silva, 42 anos, no começo da manhã deste domingo, sua esposa, que estava com nove meses de gestação, começou a sentir fortes dores na barriga e minutos depois sua “bolsa” estourou. Foi aí que começou o calvário do trabalhador.

Não tendo como buscar atendimento, já que sua residência fica aproximadamente há 2km do hospital da cidade, Everaldo Moreno resolveu levar sua esposa a pé para o centro médico, mas durante o trajeto, ela não suportou e caiu.

Segundo o cortador de cana, um carro, que vinha passando, deu carona e levou os dois até o hospital, mas já era tarde demais, Isabel já chegou morta no local, carregando o filho também em óbito. “Era nosso quarto filho. Ela tinha outros dois que não eram meus. Foi muito triste”, falou emocionado.

Everaldo contou ainda que conseguiu arrumar um transporte para levar o corpo até Maceió, para fazer o Serviço de Verificação de Óbitos, no Instituto Médico Legal (IML). Na declaração do IML, consta que as mortes foram causadas por edema agudo do pulmão, hipertensão arterial, DNGE e obesidade.

O trabalhador lembrou que o médico que estava atendendo sua esposa durante o período da gestação havia informado que a criança nasceria até o dia 13 e se chegasse ao dia 17 seria feita uma operação, o que não ocorreu. “Não sei por que a morte veio buscar ela e meu filho. Não sei se foi falta de cuidado do doutor”, desabafou.

Por fim, Everaldo contou que durante sua ida a Maceió ficou sabendo que a tia de sua conjugue, Maria das Dores da Silva, 90 anos, também havia falecido. Essa por sua vez, estava internada no Hospital Geral do Estado após sofrer Acidente Vascular Cerebral (AVC).