TJ/AL Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true Câmara Criminal

Acusado de matar a namorada utilizando uma faixa de taekwondo, em fevereiro de 2012, Idison Vitor Elias Dantas será levado a júri popular. Ontem (11), a Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL), que manteve a sentença de pronúncia contra o réu.

O relator do processo, desembargador João Luiz Azevedo Lessa, destacou: “No que tange à autoria, a despeito das provas não serem uníssonas, verifico que existem indícios mínimos que apontam o recorrente como autor do delito em questão”.

Segundo a denúncia do Ministério Público de Alagoas (MPE/AL), a vítima Suellen de Souza Lopes foi encontrada morta com uma faixa de taekwondo em volta do pescoço. No início, a polícia suspeitou de suicídio, mas depois as investigações apontaram Idison como suposto autor do crime.

Ainda de acordo com a denúncia, o relacionamento entre o casal era conflituoso, sendo o réu ciumento e possessivo. A vítima teria sido agredida por Idison e confidenciado a uma amiga que iria terminar o namoro. Os conflitos também teriam sido motivados por uma suposta dívida assumida pela vítima em nome do réu.

Idison Dantas foi pronunciado por homicídio qualificado. Sustentando a tese de negativa de autoria, a defesa do réu ingressou com recurso em sentido estrito no TJ/AL.

O recurso, no entanto, foi improvido, mantendo-se a decisão de submeter o acusado a júri popular. “Vale esclarecer que a pronúncia não representa uma pré-condenação. Por isso, diante do caso concreto, considero que o presente delito deve ser submetido à apreciação do tribunal popular, onde poderão ser avaliadas as circunstâncias do suposto crime a fundo, o que é inviável nesta etapa”, avaliou o relator do processo.