Tribuna União/Arquivo Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true José Roberto da Silva

Emerson Fernandes da Silva, um dos acusados em um crime que chocou a população de Murici, em abril de 2012, teve o habeas corpus negado pela Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL). Ele é acusado de envolvimento na morte de José Roberto da Silva, que recebeu várias facadas e teve a cabeça decepada e cravada em uma estaca.

Além do réu, outras três pessoas, sendo dois adolescentes, teriam participado do assassinato, motivado por uma discussão.

A defesa sustentou que ele sofre constrangimento ilegal por conta do excesso de prazo na formação da culpa. Alegou ainda que Emerson é detentor de bons antecedentes, trabalhador e possui residência fixa, além de ser primário.

Segundo o relator do processo, desembargador Otávio Leão Praxedes, o constrangimento ilegal não se observa no caso e o fato de o réu possuir condições subjetivas favoráveis não impede a decretação e manutenção da prisão, quando presentes os seus pressupostos e requisitos. “Os fatos apurados no feito originário apresentam elevada gravidade, indicando o modus operandi empregado e a suposta periculosidade dos agentes”, afirmou. A decisão foi proferida na quarta-feira (1º).

O caso

O corpo de José Roberto foi encontrado em uma rua na periferia de Murici. O tronco estava separado da cabeça, que ficou “exposta” em uma estaca.

Na ocasião, a Polícia Civil informou que testemunhas relataram que a vítima e os suspeitos estavam bebendo juntos na noite do crime.