Assessoria
OAB/AL

Candidatos que realizaram o exame da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Alagoas estão pedindo a anulação da prova na área de administrativo. De acordo com o bacharel em Direito, Pedro Laranjeira, 56% da prova de Direito Administrativo apresentava irregularidades, como assuntos que não estavam no edital, questões dúbias o que acabou prejudicando os candidatos que escolheram essa área.

“Neste momento está acontecendo em Brasília um protesto que pede a anulação da prova e que reveja as pontuações das demais áreas”, disse Laranjeira. 

De acordo com o candidato, a divulgação do gabarito apresentado pela fundação que realizou a prova não foi de acordo com o gabarito apresentados pelos professores do cursinho em que ele estudou. “Conforme o gabarito dos professores minha nota seria 8,5 e no gabarito oficial minha nota foi 3,5”.

Laranjeira falou ainda que o presidente da OAB/AL, Thiago Bomfim, está em Brasília no dia de hoje para discutir as mudanças na prova da ordem. Em Alagoas, o número de inscritos no exame da OAB, segundo dados repassados pela entidade, foi de 1.666; os aprovados somaram 563, o que significa um percentual de 33,76% de aprovação no exame. Esse percentual é superior ao total que foi de 28,08%.

Os candidatos que constam da lista foram considerados aprovados por terem obtido nota mínima 6 (seis) na prova prático-profissional (segunda fase), aplicada no dia 16 de junho deste ano em todo o País pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O Exame da OAB é requisito necessário para a inscrição nos quadros da OAB como advogado, conforme estabelece o artigo 8º, IV, da Lei 8.906/1994 – o Estatuto da Advocacia. A OAB realiza três exames por ano, o que, potencialmente, pode significar 90 mil novos advogados a cada ano no Brasil.