1359510249netinho crb 1955

Netinho foi um craque no CSA, CRB, Auto Esporte e Esporte Clube Alagoas.

A torcida se encantava com suas jogadas. Era um jogador elegante, clássico e dono de um vistoso futebol.

Não adianta nossa preocupação em encontrar razões para explicar as coisas ruins que surgem em nossas vidas. Não nos cabe alternativa senão apontar os acontecimentos.
Por razões extracampo, Netinho começou a cair de produção. Seu estupendo futebol foi murchando, sumindo. A torcida já não via mais suas grandes apresentações. A imprensa não lhe dava a mesma atenção. E aquele que foi ídolo, que teve seus dias de glória, começou a ser esquecido por todos.

Netinho desapareceu!

Começou a beber. Não parava em nenhum emprego. Dava pena ver Netinho, no Mercado Público, pedindo dinheiro para beber. Era um quadro triste, onde ele aparecia como uma figura deformada. Netinho estava perdido, tragado pelo lamaçal da bebida.
Alguns amigos procuravam ajudá-lo. Em princípio, ele tomava jeito. Parecia ter expulsado a bebida de sua vida. Parecia querer reencontrar a porta para uma saída que lhe colocasse novamente na sociedade sadia e equilibrada. Tudo isso, porém, durava pouco tempo. Logo ele voltava a ser superado pelo álcool.

Diz o poeta que “o coração tem razões que a própria razão desconhece”, e Netinho deve ter tido fortes razões para se deixar devorar pelo vício da bebida.
Jovem ainda, mas com o físico debilitado, Netinho encontrou a morte prematuramente.
Nunca mais tivemos a chance de assistir àquele futebol inteligente, cheio de talento e habilidade.