Ricardo Mota
Ricardo Mota

Justiça Eleitoral de Alagoas vira notícia nacional pelo desrespeito às suas decisões

Ricardo Mota|
Tribunal Regional Eleitoral
Tribunal Regional Eleitoral / Sandro Lima

A notícia não é boa, portanto, para os seus integrantes da Justiça Eleitoral de Alagoas - TRE, inclusive.

É algo próximo ao deboche, como na Coluna do Mazzini (Leandro Mazzini), da ISTOÉ online que trata das condenações – em primeira e segunda instância – a Paulo Dantas e Renan Filho, que “têm usado estrutura do Governo para agenda eleitoreira”, afirma.

Parece que esta é a opinião, também, da desembargadora Ester Manso, que proibiu o governador-tampão e o ex-governador de usarem os eventos do governo para campanha.

Mas, como acentua o jornalista da publicação, Dantas e Filho “desafiam decisão da Justiça Eleitoral”.

(Tenho dúvida sobre o verbo: não seria “ignoram”?)

Pelo visto, os dois candidatos majoritários do MDB, este ano, preferem pagar a multa estabelecida pela magistrada, que é um troco para eles: a cada descumprimento, pouco mais de R$ 5 mil.

No cálculo aritmético, simples, sai barato demais ignorar as determinações para Justiça.

Pelo andar da carruagem, todos os candidatos estão dispensados do cumprimento de futuras decisões da Justiça Eleitoral de Alagoas.

Ou não?

 

SOBRE O AUTOR

Jornalista, escritor e músico.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados