Especialista conta à Betway por que estaduais merecem ser mantidos

Artigos|
Imagem de Pexels em Pixabay

 

Há tantas disputas grandes ocorrendo no futebol que, para muitos, os estaduais já não são importantes. Alguns até se perdem diante da quantidade de partidas, sobre quais vale um título e quais não. (Agora) aconteceu muito, até em conversas sobre futebol com vários amigos, de a gente torcer por um jogo e não saber o que está valendo. Às vezes não valia nada”, afirma Pedro Menezes, Senior Business Consulting da consultoria Ernst & Young. 

Porém, ele não está sozinho. Grande parte do público brasileiro percebeu que algo não vai (tão) bem com os estaduais. Mesmo ainda, ainda existe quem defenda esse tipo de competição e o porquê ela é importante para um país como o Brasil. A Betway, site de apostas esportivas, realizou várias entrevistas e elaborou este estudo sobre a atual relevância dos estaduais para o futebol. Confira!

 

País tem dimensões continentais

 

Apesar de os torcedores desejarem que os times ganhem competições nacionais e internacionais, é importante pensar na divisão do futebol brasileiro. As disputas locais só surgiram porque o país tem dimensões continentais, ao contrário de países como Itália e Inglaterra. Por isso, a expectativa é que estes torneios se mantenham. 

“A origem do futebol só podia ser local”, diz o professor de jornalismo da Cásper Líbero Celso Unzelte. “Quando digo local, até mais do que estadual. Se você retroceder um pouquinho, descobre que o Santos valorizava os títulos da cidade de Santos, o Juventude, certos títulos de Caxias, Ponte Preta e Guarani, da cidade de Campinas. Quando o Santos monta aquele time do Pelé, continua jogando o Campeonato Santista com times amadores, sub-20. Os primeiros jogos do Pelé pelo Santos foram por esse Campeonato Santista. Ele inclusive perdeu um pênalti contra o Jabaquara e quis ir embora”.

 

Treino para os atletas 

 

Assim como os pilotos de avião, os jogadores de futebol precisam de tempo em campo para serem considerados profissionais. Não basta jogar durante horas na própria rua. É necessário que haja um acompanhamento técnico e de outra equipe, para que as partidas mostrem como é a competitividade em campo. 

De acordo com o estudo da Betway, os atletas passam por um processo em etapas. Uma pessoa que é promessa em uma cidade do interior do Ceará, por exemplo, pode ser vista por um olheiro do Atlético Cearense. Depois de jogar nos estaduais, esse jogador pode disputar um título no Campeonato Brasileiro - e quem sabe até ser contratado para jogar na Europa. 

Da mesma forma que alguém não se forma em uma profissão e logo se torna diretor, um jogador sobe degrau por degrau na carreira. Nesse contexto, os campeonatos estaduais são essenciais!

“A valorização dos campeonatos estaduais deveria ser repensada, até mesmo pela CBF, para qualificarmos os atletas porque sem esse nível de competição e minutagem de jogo, o atleta vai ficando cada vez mais escasso no mercado”, afirma a presidente do Atlético Cearense Maria José Vieira. “Temos que pensar no futebol como uma cadeia produtiva. Uma cadeia econômica. Se você não tem motivação para alimentar aquela cadeia produtiva, ela não vai funcionar. O que queremos é fomentar o mercado. Não apenas a renda do clube, mas o mercado do futebol em si”, conclui.

Apesar de os campeonatos estaduais não serem tão relevantes agora para o público - que vislumbra competições de maior projeção -, eles continuarão sendo importantes para a formação de atletas. Até porque, grandes nomes começaram a se destacar por esse meio, como o Keno do Palmeiras, Michael do Flamengo e Nikão de São Paulo.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados