Pedro Vilela solicita urgência na votação do piso salarial nacional da enfermagem

Assessoria|

O deputado Pedro Vilela (PSDB) apresentou requerimento de urgência nesta terça-feira, dia 30, para a votação do projeto de lei que institui o Piso Salarial Nacional da Enfermagem. “Caso aprovada a urgência, o projeto poderá ter seu mérito apreciado diretamente no plenário da câmara, não tendo que seguir a tramitação normal. Dessa forma, vamos poder conseguir sua aprovação de maneira muito mais rápida. ”, destaca o parlamentar, acrescentando que esse projeto, se aprovado pela Casa, beneficiará de imediato mais de 2,5 milhões de profissionais da enfermagem.

“Um piso salarial nacional e a jornada de trabalho de 30 horas semanais da categoria de enfermagem (enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, além de parteiras das redes pública e privada) são reivindicações antigas desses trabalhadores, mas, até hoje, não foram atendidas.”, argumenta Pedro, lembrando que esse projeto de lei é de autoria do senador Fabiano Contarato (Rede/ES) e já foi aprovado por unanimidade pelo Senado.

Segundo o deputado, “desde o ano passado experimentamos uma crise sanitária de ordem mundial e os profissionais dessa categoria têm exercido papel primordial para reduzir os impactos da crise no auxílio à saúde de pacientes e familiares vítimas da Covid-19”. “Se o piso salarial, tal qual fundamenta a Constituição Federal, deve ser proporcional à complexidade e extensão do trabalho, nada mais pertinente que o aumento do piso salarial desta profissão de forma condizente ao exercício desenvolvido por estes profissionais”, reforça.

De acordo com o texto que irá à votação na Câmara dos Deputados, o piso salarial de enfermeiras e enfermeiros deve ser fixado em R$ 4.750, técnicas e técnicos deverão receber, no mínimo, 70% desse valor e auxiliares e parteiras, 50%. Os valores deverão ser reajustados anualmente, com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados