Funcionário denuncia ex-professor da Ufal por ato de racismo dentro de shopping em Maceió

Raíssa França com Maria Luiza Lúcio*|
Advogados e vítima estiveram presentes na delegacia
Advogados e vítima estiveram presentes na delegacia / Foto: Maria Luíza/CM

Atualizada às 18h19

Um funcionário de uma loja de um shopping situado no bairro da Cruz das Almas, em Maceió, procurou o 6º Distrito Policial, na manhã desta quinta-feira (25), para denunciar um caso de racismo que o mesmo sofreu dentro do shopping. O suspeito de cometer o crime é um ex-professor da Universidade Federal de Alagoas (UFAL).

Segundo o funcionário identificado como Luís Felipe Mesquita, a loja que ele trabalha não tem banheiro interno, por isso ele se deslocou até o banheiro do próprio shopping. “Quando cheguei lá, me deparei com um senhor de porte magro e baixo, onde o mesmo me olhou e fez sinal de macaco, além de sinal de morte”.

Ele não achou que esse sinal seria para ele. “Então continuei me dirigindo ao banheiro. Só que notei que esse homem que ficava sempre no mesmo lugar, repetia o mesmo gesto e ações referentes ao meu cabelo e cor de pele”. 

Os abusos, que iniciaram há 4 meses, continuaram acontecendo nas semanas seguintes. Ele disse que relatou o fato ao segurança do shopping que, segundo ele, não fez nada. 

“E aí, depois de muito tempo, ele fazendo o mesmo sinal de corte de tesoura e corte no pescoço, fui perguntar por qual motivo ele fazia aquilo e ele respondeu que eu ‘era o amigo neguinho da loja, o amigo cafuçu do shopping’. Não aceitando a situação fui até a segurança que nada fez”, relatou.

Felipe afirmou que, além das agressões verbais, chegou a sofrer agressões físicas. “Um dia ele entrou no meu trabalho, puxou meu cabelo e falou que ia ‘tacar fogo em mim‘, me chamando de vários nomes horríveis. Eram só agressões verbais e passou para a física. Comecei a gritar, pessoas presenciaram, falei com a gestão do shopping e novamente ninguém fez nada”.

Ele também contou à reportagem que o ato foi presenciado por várias pessoas que estavam na hora. Felipe afirmou que o homem já é conhecido no shopping por fazer atos obscenos, homofobia, discriminação do sexo e assédio.

O advogado criminalista, Roberto Moura, enfatizou que o suspeito ameaçou e abalou psicologicamente o cliente dele. “Todas as pessoas serão chamadas e vamos solicitar as câmeras. O delegado vai intimar as pessoas para ouvi-las”. O advogado disse que o suspeito será acusado por injúria racial e perseguição.

Ao Cada Minuto, o advogado disse que esse é o segundo boletim de ocorrência aberto. “O primeiro foi em setembro. Existem três reclamações no SAC do shopping e nenhuma atitude foi tomada”.

Roberto reforçou que o shopping se recusou a enviar as reclamações e que nenhuma atitude foi tomada para impedir que o suspeito entrasse no estabelecimento. “A próxima etapa é aguardar as testemunhas, ouvir o agressor, finalizar o inquérito e enviar ao MP [Ministério Público]”.

A vítima está tendo apoio do Instituto Negro de Alagoas (Ineg/AL) e um grupo de advogados.

Em nota, o Parque Shopping Maceió ressaltou que repudia qualquer forma de discriminação e se solidariza com Luis Felipe, funcionário de uma das lojas do empreendimento. O shopping esclarece que acolheu Luis Felipe no Serviço de Atendimento ao Consumidor, registrando as ocorrências. A administração do shopping reforça que está à disposição das autoridades competentes para colaborar com as investigações.

*Estagiária sob a supervisão da editoria 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados