Em AL, setor de bares e restaurantes tem crescimento de 93% em relação ao ano anterior, diz boletim

Redação*|
Foto: Ascom Sefaz

A Secretaria de Estado da Fazenda de Alagoas (Sefaz-AL) divulgou, nesta quarta-feira (13), o novo boletim do movimento econômico em Alagoas. Segundo o documento, as atividades de atacado, varejo e indústria obtiveram um crescimento nominal, em conjunto, de 22% no mês de setembro em relação ao mesmo período do ano anterior.

A Sefaz analisou os documentos fiscais eletrônicos emitidos no período, avaliando os efeitos das medidas de regulação das atividades econômicas durante a pandemia na economia do estado e como esta vem se comportando diante deste cenário. O crescimento ocorreu de forma diferente entre as três atividades econômicas.

Atacado

O setor teve aumento de 14% no seu total, com ênfase positiva nos segmentos representativos de atacadistas de produtos químicos (28%), combustíveis (27%), atacadista de alimentos (9%) e atacadista de mercadorias em geral (5%), que representaram 78% dos valores totais emitidos.

Varejo

Já o Varejo também apresentou um crescimento de 19% no seu total, destacando os valores mais significativos de emissões: o comércio varejista de cosméticos (59%), combustíveis (32%), hipermercados, supermercados e alimentos (27%), medicamentos (14%) e veículos (12%), que representam 73% do total de emissões do período.

Em especial, alguns setores tiveram um crescimento representativo, como: frigoríficos e peixarias (76%), varejista de tecidos (33%), bebidas (24%), dentre outros. Essas atividades, somadas, representam apenas 1% do total de emissões do período. Na ocasião, houve um aumento significativo em termos percentuais nas atividades econômicas, havendo uma volta gradativa ao funcionamento destas, obedecendo aos decretos estaduais emitidos, objetivando o controle da pandemia da Covid-19 em Alagoas.

As atividades econômicas que apresentaram resultados negativos foram os varejistas de móveis (-13%), as lojas de departamentos (-12%) e os artigos de armarinho (-2%), que representam apenas 5% do total de emissões do período.

Indústria

O segmento industrial teve crescimento de 35% no total, tendo se destacado positivamente entre os valores mais significativos a fabricação de cloro e álcalis (430%), petróleo e gás (89%), fabricação de produtos químicos (43%), fabricação de açúcar (48%), fabricação de alimentos (14%) e a fabricação de resinas (10%), representando um total de 70% dos valores de emissões no período. As atividades que tiveram resultados negativos foram fabricação de álcool (-40%), fumo (-32%) e moagem de alimentos (-16%), representando 5% do total de emissões no período.

Bares e restaurantes

A atividade econômica de bares e restaurantes está enquadrada em prestação de serviços, porém, devido ao fato desta ter sido afetada diretamente pelos decretos estaduais que restringiram as atividades econômicas, faz-se necessária uma análise desta atividade de forma específica. Fazendo uma análise comparativa de janeiro a setembro/2021 com o mesmo período do ano anterior, verifica-se um crescimento médio nominal nesta atividade de 93%.

Além disso, foi constatado que a atividade econômica de bares e restaurantes está em crescente evolução, tendo em vista que no exercício anterior estes estavam com suas atividades lentamente voltando à normalidade. Observa-se um crescimento nominal mensal de 4% em janeiro, 9% em fevereiro, 6% em março, 133% em abril, 181% em maio, 152% em junho, 194% em julho/2021, 92% em agosto/2021 e 68% em setembro quando comparados com estes mesmos meses do ano anterior. 

*com Ascom Sefaz

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados