Resultados dos exames que investigam casos da 'Urina Preta' em Alagoas ainda não foram entregues

Redação |

Quase dois meses após o registro de dois casos suspeitos da síndrome de Haff, conhecida como doença da urina preta, a Secretaria Municipal de Saúde ainda não recebeu o resultado dos exames no laboratório para comprovar ou descartar a infecção. 

Os dois casos as pessoas foram internadas em um hospital particular localizado no bairro da Gruta de Lourdes, em Maceió, apresentando perda da força física, dor muscular, febre e urina escura. 

As amostras para o exame foram encaminhadas para o Laboratório Central de Alagoas (Lacen/AL) e depois enviadas para um laboratório parceiro especializado fora do Estado. Apesar do registro dos dois casos, mais nenhum caso suspeito foi registrado no estado. 

A secretaria não informou se existe um prazo para o laboratório apresentar os resultados. 

A doença

O professor da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) e doutor em Ciências Aquáticas, Emerson Soares, esclareceu que a toxina que contaminou as duas irmãs em Recife com a Síndrome Haff, conhecida popularmente como doença da urina preta, pode ser encontrada em qualquer peixe que faça o consumo do muco de corais contaminados. 

A doença ganhou notoriedade após duas irmãs serem internadas com um quadro grave, provocado pelo consumo do peixe arabaiana. De acordo com o especialista alagoano, os peixes ficam contaminados com a toxina ao se alimentar dos corais, que produzem essa substância. 

“Essa palitoxina vem do muco dos corais, que é uma das fontes e que contaminam peixes que se alimentam dela e, consequentemente, as pessoas que possam fazer esse consumo desse peixe contaminado. São casos isolados e precisamos dizer que não é só um tipo de peixe que pode ser contaminado. Foi a arabaiana, por exemplo, mas a arabaiana é um peixe de alto mar, que se alimentou e foi acumulando, mas pode qualquer tipo de peixe”, detalhou Soares. 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados