Qual a sua opinião sobre o voto impresso? Veja a posição dos deputados federais alagoanos

Maria Luiza Lúcio*|
Urna eletrônica
Urna eletrônica / Foto: Agência Brasil

Após 25 anos do lançamento das urnas eletrônicas nas eleições brasileiras, a credibilidade desse método vem sendo questionada e o debate sobre a implantação do voto impresso aumenta. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 135/19, de autoria da deputada federal Bia Kicis (PSL-DF), que defende essa mudança, está marcada para ser discutida na Câmara dos Deputados no início de agosto, com o final do recesso parlamentar.

O CadaMinuto falou com os deputados federais de Alagoas para saber suas opiniões sobre o voto impresso, a confiabilidade das urnas eletrônicas e a possibilidade de mudança que, em breve, será votada pelos parlamentares.

Para Tereza Nelma (PSDB), a impressão do voto e a necessidade dele ser depositado em urnas físicas implica em diversos fatores que reforçam a ideia do retrocesso. “Na minha trajetória política, experimentei o voto impresso e o eletrônico. Não tenho dúvidas que o eletrônico representa uma imensa melhoria para o eleitorado, além de melhorar a segurança e combater a fraude”.

“O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) garante que as urnas têm integridade e até agora não há nada que comprove o contrário. Contar votos manualmente fortalece os riscos de fraude e manipulação”, afirma.

Nelma destaca que é necessário observar que o TSE estimou um custo de pelo menos R$ 2,5 bilhões para implantar o modelo no país. “Há ainda uma fragilidade do ponto de vista do sigilo do voto. Quem defende o contrário lista benefícios que compõem uma falsa sensação de confiabilidade”.

Câmara dos Deputados. Foto: Agência Câmara

Ela conta que, em 2002, essa ideia chegou a ser testada em algumas cidades do Brasil e foi revogada por não obter sucesso.

“Vivemos em um momento de crise onde deveríamos discutir pautas mais relevantes ao invés de levantar dúvidas sobre o sistema eleitoral vigente, com 25 anos de voto eletrônico, sem ter qualquer contestação do resultado”, finaliza.

Com relação ao voto impresso, Marx Beltrão (PSD) alega que “tudo o que melhora nossa democracia tem meu apoio”.

Segundo ele, o voto impresso, também chamado pelos apoiadores de “auditável”, cria mais um mecanismo de checagem, aperfeiçoamento do processo eleitoral, dá mais segurança e lisura. “Não caia em fake news. O voto auditável é mais transparência e compromisso com a democracia plena”.

Já o deputado Paulão (PT) se declara contrário ao voto impresso, afirmando que acredita na urna eletrônica e no TSE.  “É uma medida extemporânea e para criar um fato político para a eleição do Bolsonaro”.

“Essa medida vem com o objetivo de tentar criar uma confusão na próxima eleição. Hoje você vota de uma forma secreta e o voto impresso, na realidade, vai ser o comprovante da sua votação”, disse.

Ele alega que tal mudança pode favorecer quem possui maior poder econômico, como os compradores de votos. “Um outro fenômeno que iniciou no Rio de Janeiro e que está se alastrando a nível nacional, é a questão dos milicianos. Então, isso favorece o poder econômico e, agora, esse novo nome, os milicianos". 

"É a comprovação do seu voto, portanto considero como um atentado ao estado democrático de direito”, declara Paulão.

O parlamentar Isnaldo Bulhões (MDB), afirma que, atualmente, já existe um sistema seguro, que garantiu o resultado real e dissipou as escandalosas fraudes que marcaram nossa história.

“Acredito que o atual modelo supra as necessidades, sendo desnecessário esse debate em meio a tantas outras prioridades”, explica.

Questionado sobre a confiabilidade das urnas eletrônicos, ele destaca que este é um dos sistemas mais elogiados do planeta e a mudança para o voto impresso não seria positiva. “A recontagem por mesas de apuração retoma a insegurança dos resultados”.

Os deputados Severino Pessoa (PRB) e Pedro Vilela (PSDB) também foram procurados pelo CadaMinuto, mas não responderam até o fechamento desta reportagem.

*estagiária sob supervisão da editoria

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados