Mick Schumacher na Fórmula 1: o que esperar de sua estreia?

Esporte|
Fonte: Twitter Haas F1 Team

O GP de Bahrain deste ano, vai ser palco de um momento histórico para o mundo automobilístico: a volta do sobrenome Schumacher à Fórmula 1. Mick Schumacher, filho do heptacampeão mundial, Michael Schumacher, irá estrear na categoria de elite da modalidade, neste dia 28 de março. A carga emocional deste evento para o jovem piloto é ainda maior, por se tratar do "aniversário" de 30 anos da estreia de seu pai na Fórmula 1. E é óbvio que a estreia de Mike está cercada de expectativas e apostas

A equipe

Fonte: Twitter Haas F1 Team

 

Em dezembro do ano passado foi anunciado que Mick Schumacher é o mais novo piloto da equipe Haas e fará dupla com o russo Nikita Mazepin. Assim, a equipe americana terá dois novatos na categoria, substituindo os veteranos Romain Grosjean e Kevin Magnussen. 

O brasileiro Pietro Fittipaldi e o suiço Louis Delétraz completam o time, como pilotos de teste e reservas. 


A escuderia que estreou em 2016 na Fórmula 1, foi nona colocada no Mundial de Construtores em 2020. A mais alta colocação atingida pela escuderia foi em 2018, quando ficou em quinto lugar. Em 2021 a equipe não tem grandes pretensões, pois encara o ano como uma transição para a temporada 2022, onde terá mais investimentos. 

 

O carro
 


Fonte: Divulgação Haas

Neste mês, a empresa apresentou o seu carro para a temporada 2021 da Fórmula 1, o modelo VF-21. As cores (vermelho, azul e branco), são uma homenagem à Rússia, país da patrocinadora Uralkali. A pintura, porém, é uma das poucas mudanças em relação ao carro do ano passado, que se mantém praticamente o mesmo. 

 

Os testes para a pré-temporada começam nesta sexta e Schumacher e Mazepin poderão assumir os volantes e ir à pista com o VF-21. 

 

Desempenho de Mick Schumacher na Fórmula 2

 

Mick Schumacher ascendeu ao campeonato de elite do automobilismo, após conquistar o primeiro lugar na Fórmula 2 de 2020, correndo pela Prema Racing. O piloto alemão venceu o campeonato atingindo 215 pontos, 14 a mais do que o segundo colocado, o britânico Callum Ilott. 

A principal qualidade de Mike no torneio foi a sua regularidade. Venceu apenas duas corridas (Monza e Sochi), mas acumulou resultados consistentes nos outros GPs e desbancou adversários de peso, como o próprio Callum Ilott, Yuki Tsunoda, Robert Shwartzman, Guanyu Zhou e Felipe Drugovich.

Os resultados serviram para afastar cada vez mais a desconfiança do público no piloto, que demorou um pouco para engrenar na carreira. Muitos achavam que o jovem piloto só estava tendo chances por conta de seu sobrenome e não de seu talento. 

Günter Steiner, chefe do time da Haas, elogiou o desempenho de Schumacher na F2 e afirmou que está ansioso para recebê-lo no time. O piloto alemão conta com o total apoio da equipe.

Dinastias na Fórmula 1

 

Não é a primeira vez que um filho de um Campeão Mundial irá competir na Fórmula 1. Na verdade, outros cinco filhos tentaram repetir os passos dos pais nas pistas de corrida. Além dos Schumacher, já competiram a família Rosberg (Keke e Nico), Hill (Graham e Damon), Piquet (Nelson e Nelson Jr.), Brabham (Jack e David) e Andretti (Mario e Michael). Apenas dois destes filhos conseguiram entrar para o hall de campeões mundiais, junto aos pais: Damon Hill e Nico Rosberg, que venceram a F1 em 1996 e 2016, respectivamente. 


Para Mick Schumacher será extremamente difícil repetir os feitos do pai, que venceu 7 vezes a maior competição do automobilismo mundial. Apenas um piloto conseguiu igualar esse feito, o inglês Lewis Hamilton. Michael Schumacher se recupera de um traumatismo craniano que sofreu em uma pista de esqui, em 2013, e seu estado de saúde é mantido em segredo pela família. 

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Os comentários são de inteira responsabilidade dos autores, não representando em qualquer instância a opinião do Cada Minuto ou de seus colaboradores. Para maiores informações, leia nossa política de privacidade.

Todos os direitos reservados