Foto: Assessoria

Uma rodada de bate papo promovida pelo movimento Pacto Por Maceió, da Fundação Universitária de Desenvolvimento de Extensão e Pesquisa (Fundepes), entidade ligada à UFAL, reuniu ontem à noite (25), os dois candidatos a prefeito de Maceió, na reta final do segundo turno. Com serenidade e experiência, Alfredo Gaspar discorreu sobre o tema do afundamento dos bairros Pinheiro, Mutange, Bebedouro e Bom Parto. “ Tenho muito orgulho de ser o primeiro a responsabilizar a mineradora em R$6,7 bilhões de reais, exigindo a reparação pelos danos causados a cidade de Maceió e a todas as pessoas atingidas”, destacou Alfredo.

Ele deixou claro que não pode se responsabilizar pela prefeitura e governo do estado, pois as gestões não são dele. “Eu me responsabilizo pela minha gestão no MP, quando tive a coragem de enfrentar a Braskem quando todos, ou quase todos, me abandonaram. Vou me responsabilizar ao dizer que: para cuidar de Maceió, para um novo plano diretor, para a Maceió do futuro, o CREA vai ser um dos grandes parceiros”, afirmou ao responder uma pergunta do representante da entidade.

Alfredo Gaspar disse ainda que o município precisa retomar as áreas atingidas sem custo nenhum e assim estudar junto com a academia o que pode ser feito. “Não existem soluções politiqueiras, nem simples. Isso é uma tragédia que atingiu a vida de milhares de pessoas. Eu não tenho o pecado da omissão, o que eu fiz foi apontar o erro quando muita gente tirou o corpo fora. Essa é uma tragédia que não pode ser explorada politicamente”, atestou.

Ele também falou sobre a importância da transparência, tema que faz parte da sua história pessoal. “Como chefe do MP, exigi que todo poder legislativo de Alagoas tivesse o portal da transparência e, como prefeito de Maceió, exigirei a mesma transparência no caso da Braskem”, informou.

Nas considerações finais, ele deixou claro seus propósitos como prefeito. “O meu ideal é cuidar do povo da minha cidade. Eu tenho experiência, tenho maturidade, capacidade e, principalmente, entendimento para saber que preciso da parceria dos técnicos, ouvir e seguir adiante para superar os problemas dessa cidade. Não existe aquele que faça tudo sozinho. A humanidade exige, hoje, união e parceria”, concluiu.