Foto: reprodução TV Gazeta

Nesta terça-feira (24), apos o rompimento de um tanque de melaço da Usina Porto Rico, no município de Campo Alegre, milhares de peixes apareceram mortos no Rio Jequiá. O incidente teria acontecido após uma explosão do tanque, e pode ter provocado danos ambientais. A suspeita é que a explosão tenha sido motivada por algum gás.

Os peixes apareceram mortos em diversos pontos do rio e moradores usaram diversos barcos para fazer a retirada. Equipes do Instituto do Meio Ambiente (IMA) fizeram amostradas da água para fazer análise. O tamanho do impacto ambiental ainda está sendo avaliado. 

Conforme informações preliminares, o tanque de melaço tem  um volume de cerca de 100 mil litros e 10% a 15% deste volume tenha atingido o rio por meio de uma galeria pluvial. O vazamento já foi contido e parte do melaço que chegou ao rio  foi drenado para uma lagoa de decantação e bombeado para canais de irrigação. 

Amostras de dois pontos do Rio Jequiá ( Igrejinha  da Usina Sinimbú e Vila Operária na Usina Sinimbú) foram coletadas. 

Mais cedo, a Industrial Porto Rico divulgou nota esclarecendo o ocorrido. Segundo a empresa, o tanque de melaço tem ligação com o processo produtivo de etanol e o vazamento foi um enorme susto, que causou sujeira no parque industrial, mas que nenhum funcionário foi atingido.

Ainda de acordo com a Porto Rico, os órgãos ambientais foram informados pela própria empresa sobre o fato, par que, em conjunto possam averiguar a existência de possíveis danos ambientais e quais medidas devem ser adotadas.

A empresa também comunicou que após o vazamento tomou todas as atitudes necessárias e urgentes para conter, ou minimizar, qualquer eventual dano. A indústria também garantiu que está vigilante e adotando as medidas gradativas necessárias , junto a seus técnicos e aos órgãos competentes.