Cortesia ao CM
Gerontólogo Francisco Silvestre


“Se a política não importar para os idosos, os políticos não se importarão com as pessoas idosas”. Com essa frase, o gerontólogo Francisco Silvestre resumiu a importância de estimular a participação dos eleitores idosos no processo eleitoral em Alagoas, onde, segundo projeções do IBGE, 382 mil pessoas têm idade igual ou superior a 60 anos, o que representa 11,4% da população. Somente em Maceió, a estimativa é que sejam 135 mil idosos. 

Ainda conforme dados do IBGE, a porcentagem irá aumentar exponencialmente em todo o país, inclusive em Alagoas, nos próximos anos, mas apesar do evidente envelhecimento da população, as políticas públicas voltadas à população idosa ainda são consideradas insuficientes, principalmente para os idosos de baixa renda. 

Para o gerontólogo, mudanças significativas nesse cenário começam com o que ele chama de “voto maduro”. Silvestre é um dos idealizadores do evento remoto, inédito no país, “Itinerário Informativo Virtual – Cidadão Idoso Eleitor”, criado com o propósito de estimular a participação do eleitor idoso no pleito, oferecer ou reciclar conhecimentos e esclarecer sobre as atividades dos legisladores e gestores municipais.  

A proposta, encabeçada pelo Observatório do Idoso em Alagoas (OIA), junto com a Ideias & Ideais Cursos e Eventos Gerontológicos, e com o apoio da Câmara Sênior Virtual de Maceió, “visa criar uma nova cultura diante de algumas posturas arraigadas no comportamento sociocultural das pessoas idosas e dos próprios políticos”, destacou o gerontólogo, frisando a necessidade de desmistificar ideias alimentadas por parte dos postulantes aos cargos públicos eletivos. Já em relação aos idosos o foco é quebrar a falsa noção de que o seu voto não fará diferença no resultado do pleito. 

“Por meio de pesquisas e estudos notamos que poderíamos deixar uma Maceió Amiga da Pessoa Idosa se nós, que temos 60 anos ou mais, mudássemos nossos comportamentos como eleitores. Os políticos têm a impressão que os idosos só votam em quem os filhos mandarem e também acham que o voto maduro não ganha eleição e que os idosos não se importam com o cenário político”, pontuou, relatando que “a falta de informação, o desleixo, deszelo e a invisibilidade foram os sentimentos elencados traduzidos da primeira sessão remota da Câmara Sênior Virtual de Maceió, espaço virtual no qual são debatidos propostas e assuntos voltados à terceira idade.  

Ao final das eleições, a ideia é entregar aos vereadores eleitos às propostas e projetos levantados durante as discussões. Os próximos encontros virtuais do Itinerário Informativo ocorrem na próxima terça-feira (20) e no dia 27 deste mês, das 19 às 21h30. Mais informações pelo Whatsapp: 82-993285237. 

“O idoso é um eleitor. É preciso o voto dele, até para garantir um futuro melhor para os idosos que vêm depois, que são seus filhos e netos. Eu sempre brinco que, não gostar de política, não votar, é não gostar dos seus filhos, é não gostar dos seus netos, porque se a gente não preparar uma cidade amiga do idoso agora, mais tarde vai ser muito mais difícil”, reforçou Silvestre. 

Falta de espaço e invisibilidade 

Questionado sobre as principais dificuldades e necessidades dos idosos alagoanos, o gerontólogo citou a ausência de políticas públicas específicas para o segmento. “Na saúde, por exemplo, não temos um hospital geriátrico, não temos nem ambulatórios. Também enfrentamos problemas em relação à acessibilidade e precisamos de espaços de responsabilidade social, como centros de referência similares aos que já existem em alguns estados do país, onde o idoso garanta um convívio social, com teatro, piscina aquecida, campo de futebol, espaço para artes, posto médico, por exemplo, onde ele possa se divertir com segurança”. 

Frisando a importância da participação do idoso como votante, Silvestre explicou que ninguém conhece as demandas do segmento tão bem quanto os próprios idosos: “É ele quem está angustiado, que é maltratado e invisível. Então, ele é que tem de ir votar, não deixar a banda passar... Os políticos em geral enxergam as necessidades dessa população? Não, porque há uma cultura aqui de que o idoso não dá voto”.  

Silvestre contou que assistiu uma convenção onde foram apresentados 30 candidatos a vereador, além do candidato a prefeito e a vice-prefeito, e nenhum deles levantou a bandeira do idoso: “Isso é um desprezo, uma invisibilidade... Não temos nenhuma política institucional nem governamental, não temos um Fórum do Idoso, que é garantido por lei, pelo Estatuto do Idoso. Como fazer com que os políticos enxerguem as pessoas idosas? Com a criação desses espaços de fórum, Câmara Sênior outras estratégias, como também o idoso precisa ser mais provocativo”. 

Ele prosseguiu criticando o fato de poucos na Câmara Municipal pensarem em fazer de Maceió uma cidade amiga do idoso: “Tudo que se faz hoje para o segmento é na especulação, no sensacionalismo, na ‘festa do papel’. Nós temos a nossa política municipal, espero que não fique na gaveta, que não seja mais uma especulação, um sensacionalismo e que saia do papel”. 

“Nós temos que provocar e ser provocados para sermos cidadãos, políticos, não políticos partidários, mas na busca das políticas social, cultural, lazer, esporte... E aí, nos aproximarmos dos parlamentares para dizer o que estamos sentindo, o que estamos precisando em Alagoas, em Maceió”, finalizou Silvestre. 

 

Propostas dos candidatos 

O CadaMinuto entrou em contato com os candidatos a prefeito de Maceió para saber as propostas de cada um para atender as pessoas idosas.  A seguir, as respostas que foram enviadas à reportagem.   

Alfredo Gaspar (MDB)  

O Plano de Governo apresentado por Alfredo Gaspar está focado no atendimento das necessidades das pessoas, por isso contempla a atenção ao idoso em diversos eixos do documento. A população mundial está envelhecendo e no Brasil, em Alagoas e em Maceió não será diferente. Por isso, será implantada uma rede de cuidados à pessoa idosa a fim de potencializar as habilidades necessárias para um envelhecimento ativo e saudável, por meio de estratégias de prevenção em Saúde e ações de bem-estar, autocuidado e socialização. Nosso país ainda conta com um número expressivo de idosos sem alfabetização, por isso, na Educação, será incluída essa faixa etária nos programas para adultos, que ensinam a ler e a escrever. Na Assistência Social, serão implantados espaços no CRAS para oferecer serviços voltados exclusivamente à pessoa idosa, representando um local de acolhimento e de cuidados. O Plano prevê ainda um projeto de inclusão produtiva, com a criação de Núcleos de Convivência de Idosos, onde serão promovidos cursos voltados ao desenvolvimento de habilidades manuais para confecção de produtos que podem ser comercializados em espaços e feiras de artesanato itinerantes. 

Cícero Almeida (DC) 

“Nós temos que ter um projeto para a terceira idade, dentro das condições que o país se apresenta hoje, pois queiramos ou não, a terceira idade hoje, tem no mínimo uma aposentadoria para sobreviver, mas muitos não têm na verdade onde morar”, disse o candidato Cícero Almeida, acrescentando que seu governo terá uma secretaria com metas definidas para todas as áreas, inclusive a terceira idade: “Faremos o melhor, principalmente para aqueles que mais precisam. Vamos encontrar dentro das nossas condições a melhor forma de dar ao pessoal da terceira idade amor, carinho, atenção, respeito e muita dedicação em todas as áreas”. 

Cícero Filho (PCDOB) 

Para o candidato Cícero Filho, apesar da Lei nº 10.741/2003, que estabelece o Estatuto do Idoso, onde é possível verificar o estabelecimento de direitos assegurados a pessoas com idade igual ou superior a 60 anos, ainda se faz pouco para essa importante parcela da sociedade: “Nosso governo estabelecerá condições reais de efetivação do direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária dos idosos, conforme o estatuto”. 

Ele explicou que, tendo essas diretrizes estabelecidas, se faz necessária a criação de Centros de Apoio Integral ao Idoso, que contemplem desde a assistência domiciliar até a garantia de atendimento especializado na saúde dessa população. “Ainda, como forma de melhorar a convivência harmônica na sociedade e visando o compartilhamento de conhecimentos, estabeleceremos programas que estimulem as relações intergeracionais entre idosos e jovens estudantes da rede pública de ensino”, concluiu. 

Corintho Campelo (PMN) 

As crianças e os idosos estão entre as prioridades de nosso governo, assegurou o candidato Corintho Campelo: “Pretendemos criar e construir um conjunto residencial exclusivamente para idosos, onde haverá um centro cultural e recreativo. Existem excelentes ideias e bons projetos, porém nada será feito se não atacarmos essa máquina monstruosa e acabar com os cargos comissionados, dar um choque de gestão. Hoje menos de 1% da arrecadação é investida na cidade e vamos elevar esse número para 30%. Vamos executar bons projetos, pois vamos ter recursos”.  

JHC (PSB) 

Fomentar o conceito do envelhecimento ativo, expandir e requalificar os serviços de proteção social aos idosos por meio dos Núcleos Dia e de Instituições de Longa Permanência no âmbito de cada região administrativa são as propostas do candidato JHC. Ele disse também que irá promover a educação gerontológica da população, principalmente dos profissionais que lidam com o público idoso. 

Josan Leite (Patriota) 

“Nosso Governo enxerga e inclui essa parte da população. Iremos primeiramente tornar Maceió acessível aos idosos e também às pessoas com deficiência, padronizando as calçadas, aumentando a quantidade e melhorando as rampas pela cidade. Aumentaremos a quantidade das faixas de pedestres, facilitando o deslocamento e evitando atropelamentos”, afirmou o candidato Josan Leite. 

Josan completou que serão disponibilizados equipamentos de ginástica para idosos nas praças da capital e melhoramentos à assistência à saúde, inclusive com o uso da tecnologia para marcação de consultas e exames por aplicativos nos celulares, evitando os deslocamentos muitas vezes desnecessários ou as famosas “viagens perdidas”, quando não conseguem fazer as marcações precisas. 

Lenilda Luna (UP) 

A candidata Lenilda Luna destacou que os idosos foram duramente atacados no último período, com a Reforma da Previdência. “Em Alagoas, a reforma foi a pior nordeste. Os aposentados tiveram seus salários taxados em 14%, reduzindo o poder de compra dessa parcela que têm necessidades especiais e precisa de maior atenção do poder público. Em minha gestão na prefeitura, os idosos serão beneficiados com as políticas de saúde, lazer e acesso à moradia”, garantiu. 

Lenilda prosseguiu dizendo que, entendendo a importância dessa parcela da população para o sustento das famílias, “buscaremos facilitar a sua vida, com o acesso aos medicamentos e serviços de saúde públicos de qualidade; vamos priorizar este grupo para resolução do déficit habitacional, já que os programas de financiamento público de moradias disponíveis não atendem à população mais pobre, nesta faixa etária; como também iremos facilitar as suas vidas, proporcionando transportes gratuitos e com melhor qualidade para a mobilidade, além da atualização e orientação das habilidades para aqueles que desejem ou tenham que continuar no mercado de trabalho”. 

Valéria Correia (PSOL) 

Frisando que a proteção social especial à população da terceira idade é um eixo importante da assistência social, a candidata Valéria Correia explanou sobre o quadro geral e as deficiências dessa rede de proteção existente na capital alagoana e elencou algumas de suas propostas. 

São elas: assegurar apoio financeiro para os Serviços de Acolhimento Institucional de Idosos pela Secretaria Municipal de Assistência Social (valor mínimo proposto R$ 500,00/por idoso/mês); Intensificar o acompanhamento das ILPIs pela Secretaria de Assistência Social na perspectiva da qualidade do atendimento prestado aos idosos acolhidos; Proteção aos idosos institucionalizados por meio de ações articuladas e regulares entre Semas e Secretaria de Saúde (equipe multidisciplinar do Serviço de Atenção Domiciliar – SAD).  

A candidata citou ainda a proposta de implantação de equipamentos e serviços da PSE na parte alta de Maceió: CREAS do território da PSE VI (abrange os bairros de Santos Dumont, Rio Novo, Clima Bom, Fernão Velho, Santa Amélia, Fernão Velho, Bebedouro, Chã de Bebedouro, Petrópolis, Chã da Jaqueira), Centro POP, Serviço de Acolhimento institucional para a população em situação de rua e o Centro dia do Idoso.