Foto: Reprodução / Internet
Programa iria substituir o Bolsa Família, mas governo decidiu criar outra proposta.

Após várias tentativas de Bolsonaro e sua equipe econômica, comandada pelo Ministro Paulo Guedes, chegarem em um acordo sobre o "novo" programa denominado de Renda Brasil, o assunto foi suspenso e proibido em Brasília. Ao CadaMinuto, o economista Lucas Sorgato disse que "o Renda Brasil aparentemente é um programa que já nasceu morto".

De acordo com o economista, existia uma ideia muito boa e com uma possibilidade muito interessante, mas aparentemente, por uma série de fatores, ele acabou não vingando.  

"Um dos fatores para o Renda Brasil não ter vingado, foi o quesito político, pois houve um embate de forças entre, se criar um programa novo e renomear como uma nova plataforma, que foi o que tentaram fazer", disse o professor universitário.

Ainda segundo Sorgato, um outro fator que prejudicou o bom andamento, foi que ele exigia o término de outros benefícios. "teria benefícios, como atingir um público maior do que o Bolsa Família, com uma renda maior do que a que é disponibilizada hoje, porém você acabaria com abono, com beneficio de prestações continuadas e dentre outras coisas para que ele pudesse rodar", finalizou.

Renda Brasil

O Renda Brasil chegou a ser discutido no governo como um programa de assistência social para substituir o Bolsa Família. Conforme o pensamento inicial do governo, a  intenção era aproveitar a experiência do auxílio emergencial, que acaba no fim do ano, e criar um programa que aumentasse o valor do benefício do Bolsa Família e acabasse atingindo uma parcela maior da população.

No entanto, Bolsonaro e a equipe econômica não conseguiram chegar a um acordo sobre os cortes em gastos do governo que deveriam ser feitos para financiar o novo programa, o que deixou suspensa a criação do Renda Brasil.

 

*Sob supervisão da editoria