Foto: Divulgação
Centro de Maceió

Os resultados da Pnad Covid-19, pesquisa amostral realizada em  parceria com o Ministério da Saúde, divulgada nesta quarta-feira (23) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelam que 70,4% (2,35 milhões) da população de Alagoas disse ter adotado medidas mais restritivas de isolamento social no mês de agosto, como ter permanecido isolada ou ter saído de casa apenas por necessidade. No mês de julho, a taxa era de 78,6% (2,63 milhões de pessoas).

Consequentemente, houve aumento no contingente de pessoas que flexibilizou os contatos. Em agosto, 29,2% (979 mil pessoas) afirmaram não ter feito nenhuma restrição ou ter reduzido contato, mas, ao mesmo tempo, continuado saindo de casa e/ou recebendo visitas. Essa taxa no mês de julho era de 20,9% (699 mil). 

A comparação para esses indicadores só pode ser feita entre os meses de julho e agosto, visto que seis novos temas relativos à pandemia foram introduzidos no questionário a partir de julho, entre os quais está o indicador relacionado às medidas de restrição de contato adotadas. 

Taxa de desocupação cresce em Alagoas e chega a 16,4%

Nos resultados relacionados ao mercado de trabalho, os dados mostraram que a taxa de desocupação em Alagoas saiu de 15,7% para 16,4%, deixando o estado com a sexta maior taxa percentual do país nesse indicador. Bahia (18,1%), Maranhão (18,1%), Amazonas (17,9%), Amapá (17%) e Rio Grande do Norte (17%) ficaram à frente. 

A taxa de desocupação é o percentual de pessoas desocupadas, na semana de referência, em relação às pessoas na força de trabalho, que compreende o grupo de pessoas ocupadas e desocupadas em determinada população.

As pessoas desocupadas, por sua vez, são aquelas sem trabalho que tomaram alguma providência efetiva para consegui-lo e que estavam disponíveis para assumi-lo na semana de referência, ou seja, pressionaram o mercado. Da mesma forma, consideram-se desocupadas aquelas pessoas que já haviam conseguido trabalho e iriam inicia-lo após a semana de referência.

Em números absolutos, Alagoas registrava 169 mil pessoas desocupadas em julho, contingente que passou a ser de 183 mil em agosto, o que representa um grupo de 14 mil pessoas a mais procurando emprego de forma efetiva sem, no entanto, consegui-lo. 

Por outro lado, o número de pessoas ocupadas em Alagoas aumentou de julho para agosto (de 909 mil para 928 mil), da mesma forma que o nível da ocupação (de 34,9% para 35,7%).

 

*Com IBGE