Foto: Reprodução
Após oposição ferrenha na última eleição presidencial, PT e PSL se aliam em apoio a chapa do candidato Júlio Cezar

Opositores nacionalmente, o Partido Social Liberal (PSL) e o Partido dos Trabalhadores (PT) se tornaram aliados em apenas seis municípios do País, um deles em Alagoas, nas eleições municipais de 2020.

Em Palmeira dos Índios, no Agreste alagoano, PT e PSL integram a chapa em que o candidato e atual prefeito Júlio Cezar do PSB, tenta se reeleger. A coligação é formada por outros seis partidos.

Em recente declaração, o presidente do PT em Alagoas, Ricardo Barbosa, também candidato a prefeito de Maceió, disse que a legenda é aliada ao Partido Socialista Brasileiro (PSB) e ao Cidadania, e que a aliança foi estendida ao PSL pela candidatura majoritária, ou seja, o PSB.

Na ata do partido PSB estão relacionadas todas as agremiações da coligação 11, entre as quais estão PT e PSL.

Além de Palmeira dos Índios, em Belford Roxo, no Rio de Janeiro; Ilha Solteira, em São Paulo; São Cristovão, em Sergipe; e Trindade, em Pernambuco, PT e PSL também estão do mesmo lado.

A rivalidade entre as legendas teve início nas eleições presidenciais de 2018, com a eleição do presidente Jair Bolsonaro, pelo PSL, o que fez o partido passar de pequena para a segunda maior bancada da Câmara dos Deputados.

No entanto, parte do partido rompeu com Bolsonaro, mas a bancada apoia votações e projetos do governo federal.

Vale ressaltar que a associação de dois rivais não fere normas dos partidos. Em maio, o PT estabeleceu que, em cidades com menos de 20 mil eleitores, o diretório municipal tem autonomia para escolher as coligações das quais participa. 

Já em cidades que possuem de 20 mil a 100 mil eleitores, a decisão deve passar obrigatoriamente pelo diretório estadual. Acima de 100 mil eleitores, cabe ao diretório nacional a deliberação.

O PSL afirma que não há “restrição explícita nem estímulo” a alianças com o PT. “É preferível”, segundo o partido, a aliança com “outras alternativas políticas”.

Ambos os partidos não têm um mapeamento das coligações nas cidades de todo o país.

 

*Com G1