Internet
Assembleia Legislativa

O relatório final do Ministério Público de Contas mostrou que a Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) e o Tribunal de Justiça de Alagoas (TJ/AL) não enviaram os dados solicitados para cruzamento dos dados dos servidores sobre o recebimento irregular do auxílio emergencial.

Além desses órgãos, as prefeituras Branquinha, Delmiro Gouveia, Jacuípe, Murici, Olho D’Água do Casado, Pariconha, Passo do Camaragibe, Penedo e União dos Palmares não enviaram suas respectivas folhas de pagamento para serem cruzadas com os dados do auxílio emergencial.

Conforme uma fonte desta coluna, a Assembleia Legislativa chegou a fazer um levantamento interno sobre os servidores que haviam recebido e chegou até exonerar os envolvidos. Mas a quantidade não foi repassada.

"Considerando a conclusão dos cruzamentos, MPC/AL e CGU/AL consolidarão os resultados em Nota Técnica que será encaminhada ao Ministério Público Federal informando os dados apurados, bem como, a identificação dos entes públicos que não enviaram as informações solicitadas", disse nota do MPC.